Art Acevedo, chefe da polícia de Houston admitiu esta segunda-feira que 185 pedidos de ajuda urgentes estão ainda à espera de resposta por parte das autoridades na cidade do Texas, na sequência das inundações que já deixaram mais de cinco mil residentes desalojados. O furacão Harvey é o mais forte a ter atingido o Texas nos últimos 50 anos.

Pelo menos oito pessoas morreram na sequência da passagem do furacão, avança o The Washington Post: seis em Harris County, uma em Rockport — perto do local onde o furacão atingiu a costa — e outra pessoa em La Marque, perto de Galveston. As autoridades admitem a possibilidade deste número poder aumentar.

“Muitas pessoas estão frustradas”, reconheceu o agente, referindo-se às dezenas que ainda esperam ser resgatadas. “Esperamos conseguir retirar todos os outros. Por favor, não desistam de nós. Nenhum de nós vai desistir de vocês”, declarou Acevedo.

Ao todo, duas mil pessoas já foram resgatadas, avançou o presidente da câmara de Houston Sylvester Turner, que garantiu que “o principal objetivo de hoje” é resgatar os que ainda estão nas suas casas à espera de ajuda. As autoridades do estado do Texas pedem aos residentes que pendurem toalhas ou lençóis para serem mais facilmente encontrados.

Turner declarou ainda que 5500 pessoas estão já alojadas em abrigos, mas admitiu que o mais provável é que “esse número venha a subir exponencialmente”.

O governador Greg Abbott anunciou ainda esta segunda-feira que pediu o reforço de toda a Guarda Nacional do estado do Texas. Ao todo, serão agora mais 12 mil homens no terreno a ajudar nas buscas e resgate.

“É difícil deslocar 6.5 milhões de pessoas”

O presidente da câmara Sylvester Turner foi questionada pelos jornalistas sobre a decisão de não evacuar a cidade de Houston depois de ter recebido o aviso sobre o furacão. “É difícil deslocar 6,5 milhões de pessoas”, disse Turner em resposta às críticas de que tem sido alvo.

Al Green, congressista democrata do Texas, defendeu o mayor Turner, dando como exemplo o que aconteceu em 2005, quando a cidade foi evacuada por causa do furacão Rita. “Com o Rita tivemos dois ou três milhões de pessoas [apanhadas] a meio do caminho”, explicou Green. “Aqui há recursos. Tentar arranjá-los para as pessoas quando elas estão na estrada, dentro de carros, sem saber como vai estar o tempo, é muito difícil.”

Trump visita estado do Texas, mas evitará Houston

A Casa Branca confirmou esta segunda-feira que o Presidente norte-americano, Donald Trump, irá visitar o estado do Texas na terça-feira, acompanhado da primeira-dama Melania Trump. A visita deverá focar-se numa das zonas mais afetadas, Corpus Christi, mas evitará o centro da cidade de Houston.

“Ele não irá a Houston para não correr perigo nem interromper as evacuações ou a resposta a emergências na área”, explicou o governador do estado do Texas, Greg Abbott. A chuva torrencial deverá continuar nos próximos dias, sem perspetivas de melhoria do estado do tempo até à próxima sexta-feira.

O vice-presidente, Mike Pence, disse em declarações à rádio KTSA, que “o Presidente quer lá estar e ter a certeza de que as famílias e todos os que estão a ser afetados, bem como os que os socorrem, sabem que estamos com eles”.

Esta segunda-feira à noite, Donald Trump declarou em conferência de imprensa que “o governo federal está preparado para ajudar no esforço [de recuperação]”, na sequência do furacão. “Provavelmente nunca houve nada assim”, disse o Presidente, que confirmou que no sábado regressará ao Texas e visitará também o estado do Louisiana. “Vamos sair disto mais fortes, maiores e melhores do que nunca”, prometeu.

Furacão Harvey afeta produção energética

O furacão não só afetou os milhões de residentes em Houston, como provocou a redução da produção de petróleo norte-americana. Segundo a agência Reuters, o ritmo de produção estará agora atrasado várias semanas.

Ao todo, cerca de 11% da capacidade de refinação dos Estados Unidos foi afetada, bem como um quarto da produção de petróleo da área norte-americana do Golfo do México. Para além disso, todos os portos da costa do Texas foram encerrados.

Tempestade dirige-se agora para Nova Orleães

O estado vizinho do Louisiana já começou entretanto a sofrer com as primeiras chuvas provocadas pelo furacão Harvey. Donald aprovou esta segunda-feira a declaração do estado de emergência no Louisiana, podendo assim canalizar ajuda a nível federal para o estado.

“O pior ainda está para vir”, disse o governador do Louisiana, John Bel Edwards. As previsões meteorológicas dão conta de que o pico de chuva mais intensa a atingir o estado deverá ocorrer na terça-feira, no mesmo dia em que se assinala a altura em que o furacão Katrina atingiu a costa. O Katrina foi responsável pela morte de mais de 1800 pessoas, 1500 delas só na cidade de Nova Orleães. Para além disso, Nova Orleães está ainda a recuperar das inundações que afetaram a cidade há cerca de 15 dias.