O canoísta português Fernando Pimenta, que no domingo foi campeão do mundo de K1 5.000 metros, disse que um dos segredos foi ter usufruído de “uma noite tranquila de sono” na véspera da competição.

O atleta natural de Ponte de Lima, que foi recebido esta segunda-feira por algumas dezenas de familiares e amigos no aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, mostrou-se “muito satisfeito” pelo título, conseguido 24 horas depois de se ter sagrado vice-campeão do mundo na categoria de K1 1.000 metros.

Depois de ter conquistado a medalha de prata, tentei descansar ao máximo e abstrair-me do ambiente de festa que já se vivia em Portugal. Consegui desligar-me de tudo e pensar apenas na prova. Apesar de a adrenalina estar em alta, tive um noite tranquila de sono, descansei bem, o que foi muito importante”, partilhou Fernando Pimenta neste regresso a Portugal.

O canoísta, que foi uma das figuras dos campeonatos do mundo da modalidade, que decorreram em Racice, na República Checa, disse que as medalhas conquistadas “sabem ainda melhor” depois de não ter conseguido uma prestação para pódio nos últimos Jogos Olímpicos, no Rio de Janeiro.

Este ano, felizmente, consegui fazer uma das melhores épocas da minha carreira. Foi importante voltar aos sucesso em grandes eventos, tem um sabor muito especial”, partilhou.

Questionado como arranjou motivação e forças para, depois da conquista de uma medalha de prata, ainda perseguir o ouro, e numa distância mais longa, Fernando Pimenta falou da “vontade de representar ao mais alto nível o país e aproveitar a disponibilidade física”. “Queria mostrar que vale a pena o nosso sacrifício, e que quando trabalhamos muito, de forma correta, com ambição e humildade, a recompensa chegará”, disse.

Fernando Pimenta sagra-se campeão do mundo em K1 5000

Com várias bandeiras portuguesas na receção de que foi alvo na chegada desta tarde ao aeroporto, Fernando Pimenta mostrou orgulho em poder representar os país.

Sempre que vou competir sinto que estou a representar o país, mas também uma região, uma vila e um clube e a própria modalidade. Mas o que faz querer fazer mais e melhor é a vontade de dignificar a nossa pátria e fazer com que nosso hino seja ouvido”, sublinhou.

Depois de todas estas emoções, o canoísta vai agora usufruir do convívio com familiares e amigos e, também, aproveitar para descansar. “Vão ser festejos mais longos do que o normal, porque ganhar duas medalhas num campeonato do mundo em menos de 24 horas deve ser um feito inédito no desporto português. Depois, vai ser usufruir do momento e pensar em descansar e nas férias, embora já a projetar quando vou recomeçar a treinar…”, rematou sorridente.