As inundações históricas provocadas pelo furacão Harvey no Texas deverão agravar-se nos próximos dias, à medida que as autoridades federais libertam água das barragens que estão no limite. As descargas pretendem impedir que a água salte os diques e paredões e se dirija de forma descontrolada para zonas residenciais. Há ainda previsão de mais chuva para os próximos dias na região que será visitada esta terça-feira pelo presidente.

Até agora 30 mil pessoas foram deslocadas temporariamente na principal cidade do Estado, Houston, naquele que já é considerado o pior furacão a atingir o estado do Texas em mais de 50 anos. Na quarta cidade americana e arredores vivem cerca de seis milhões de habitantes, o que tornaria muito complicada ou até inviável uma operação de evacuação em larga escala. No entanto, as autoridades admitem que cerca de meio milhão de pessoas venha a precisar de assistência.

A chuva que está a cair esta semana corresponde à que seria normal cair num ano inteiro. O balanço oficial vai em dez mortos, mas há informação contraditória. Uma mulher contou à Associated Press que uma carrinha com uma família, incluindo várias crianças, terá sido engolida pelas águas, e que os ocupantes se presumem mortos, uma situação que como outras ainda não pode ser confirmada.

Há indicação de que as forças de socorro já resgataram entre duas a três mil pessoas, muitas retiradas dos telhados das suas casas através de helicóptero. Para as centenas de pessoas retidas nas suas casas, as autoridades apelam a que pendurem toalhas e lençóis no exterior, como aviso para as equipas de socorro. Há muitos pedidos de resgate pendentes.

O Harvey vai permanecer nos estados do golfo do México nos próximos dias e as inundações devem chegar ao estado do Lousiana onde fica Nova Orleães, a cidade que foi abalada pelas cheias catastróficas de 2005 causadas pelo furacão Katrina e pelo rebentamento de diques de proteção.

Os prejuízos provados pelas cheias no Texas estão estimados em 35 mil milhões de euros e as autoridades reconhecem que vai demorar anos a reconstruir o que está a ser destruído.

Trump vai com Melania ao sul do Texas para ver danos

O Presidente norte-americano, Donald Trump, desloca-se esta terça-feira com a mulher, Melania, a Corpus Christi, no sul do Texas, para ver os efeitos do furacão Harvey, que fez pelo menos cinco mortos e dezenas de milhares de deslocados.

Segundo a Casa Branca, Trump, que já aplaudiu o trabalho que está a ser feito pelas autoridades locais e estaduais, aterrará durante a manhã em Corpus Christi, cidade costeira do Golfo do México e um dos primeiros locais a sofrer o impacto do furacão.

Em conferência de imprensa, Donald Trump diz que a prioridade é proteger as vidas e prometeu que a ameaça de paralisar o governo federal não irá atrasar a chegada de fundos para a reconstrução.