A Procuradoria Geral da República (PGR) recolheu elementos sobre as viagens dos altos quadros do Ministério da Saúde à China, pagas pela NOS, empresa parceira da Huawei, e enviou-os para o Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa abrir um inquérito e investigar os factos noticiados pela comunicação social.

No que diz respeito à noticia do Observador sobre as viagens de altos quadros do Estado a São Francisco, EUA, pagas pela Oracle, a PGR diz que está a “recolher elementos”, confirmou ao Observador fonte oficial.

Oracle. Quadros do Estado viajam aos EUA com tudo pago. Com direito a concerto dos Aerosmith

A PGR, que agora também vai investigar os dirigentes do Ministério da Saúde — que estão a ser alvo de um inquérito interno da Inspeção Geral das Atividades em Saúde — já tinha aberto um inquérito aos nove casos das viagens pagas pela Huawei a políticos noticiadas pelo Observador. “O inquérito encontra-se investigação, não tem arguidos constituídos e está em segredo de justiça”, detalha a resposta do gabinete de Joana Marques Vidal.

Já relativamente às “notícias vindas a público nas últimas horas” — as viagens pagas pela Oracle a quadros do Estado à cidade norte-americana de São Francisco, noticiadas pelo Observador — a PGR confirma que se encontra “a recolher elementos sobre a matéria”.

O Observador noticiou esta segunda-feira à noite que cinco altos quadros do Estado, de estruturas que dependiam dos ministérios da Segurança Social, das Finanças, do Ministério da Administração Interna e do Ministério da Saúde, viajaram até São Francisco, nos EUA, para um evento anual da Oracle com viagens e estadia que terão sido pagas por empresas parceiras ou por um fundo de marketing. A viagem incluiu até a entrada num concerto dos Aerosmith.

‘Huaweigate’. Viagens de quadros do Estado pagas pela NOS

Os cinco altos quadros do Ministério liderado por Adalberto Campos Fernandes que viajaram à China pagos pela NOS para visitar a Huawei — Artur Trindade Mimoso, Nuno Lucas, Ana Maurício, Rui Gomes e Rute Belchior, colocaram esta segunda-feira os seus lugares à disposição na sequência da notícia do Expresso.