A greve de 24 horas que se realizou esta quarta-feira na unidade de Palmela teve uma adesão de 41% do total dos trabalhadores, segundo um comunicado da Volkswagen Autoeuropa. A empresa reconhece o “impacto negativo desta paralisação”, mas não esclarece se a produção parou totalmente, como reivindicam os sindicatos.

A produção terá mesmo paralisado, uma vez que basta uma ou duas equipas não estarem operacionais para a linha de montagem parar. A empresa espera recuperar a produção perdida nos próximos dias.

A Autoeuropa diz que “continua empenhada em encontrar um compromisso com os trabalhadores que crie, mantenha e assegure o emprego”, mas avisa que o compromisso “deverá também garantir as encomendas dos nossos clientes para o novo modelo, que requer a laboração contínua em 18 turnos por semana”. A empresa confirma que vai ouvir as várias partes envolvidas no processo, mas volta a dar prioridade ao diálogo com uma comissão de trabalhadores eleita, o que só irá acontecer no próximo dia 3 de outubro, “à semelhança das boas práticas laborais da Volkswagen Autoeuropa e do Grupo Volkswagen”.

A eleição da nova comissão de trabalhadores terá lugar no próximo dia 3 de outubro. Até lá, serão ouvidas as partes envolvidas neste processo, tendo sido anunciada uma reunião com os sindicatos para o dia 7 de setembro.