Estados Unidos da América

Furacão Harvey. Os imigrantes têm medo de pedir ajuda?

Houston é a terceira cidade dos Estados Unidos com mais imigrantes sem documentos - mais de meio milhão - e poucos estão a pedir ajuda às autoridades. Perceba o impacto da lei "mostra-me os papéis".

Houston tem cerca de 575 mil imigrantes não documentados, grande parte em situação de risco depois da passagem do furacão Harvey

Joe Raedle/Getty Images

A cidade de Houston, no Texas, acolhe mais de 575 mil imigrantes não documentados. Numa altura em que as autoridades norte-americanas confirmam que as cheias provocadas pela passagem do furacão Harvey vão continuar por mais uns dias, levantam-se algumas questões quanto ao estatuto e à segurança de mais de meio milhão de pessoas que, por receio de serem deportadas, não têm pedido ajuda às autoridades.

No centro da questão está a lei SB-4, popularmente denominada como a lei “mostra-me os papéis” (“show me your papers”). Esta lei obriga os agentes das autoridades locais a auxiliarem as entidades de imigração e controlo de fronteiras na identificação e detenção de imigrantes não documentados. Além disso, dá autoridade às forças policiais para questionarem e exigirem documentos que, em circunstâncias anteriores, só podiam ser exigidos por órgãos federais. Foi assinada pelo governador do Texas, Greg Abbott, e entraria em efeito esta sexta-feira, 1 de setembro.

Além dos poderes que atribui ao policiamento local, a SB-4 terminaria com as “cidades santuário” no estado do Texas. Trata-se de cidades que limitam a legislação e a cooperação com entidades nacionais que pretendem forçar o cumprimento da lei de imigração. São, portanto, cidades de eleição para imigrantes não documentados, onde o risco de serem deportados é muito menor.

O presidente da câmara de Houston, Sylvester Turner, foi claro e garantiu que os imigrantes não documentados podem estar descansados: “Eu não quero saber quem vocês são, não quero saber qual é o vosso estatuto. Eu não quero que corram o risco de perder a vossa vida, ou de um familiar, por terem medo da SB-4 ou de outra coisa qualquer.”

Também o ICE (Immigration and Customs Enforcement) garantiu que todas as pessoas que forem recebidas nos abrigos não serão questionadas nem terão que apresentar os “papéis”.

Operações de rotina de investigação não-criminal a imigrantes não serão feitas nos locais evacuados, em evacuação, ou nos centros de assistência como abrigos e bancos alimentares”, lê-se no site do ICE

Mas estas garantias serão suficientes para que os imigrantes tenham confiança nas autoridades?

Amy Fischer, da organização não governamental RAICES, diz que “o sentimento no local é de que estas pessoas não documentadas simplesmente não confiam nas autoridades porque são alvo dessas mesmas autoridades há muito tempo, muito antes da SB-4“.

Os checkpoints e postos de controlo “fora do percurso do furacão” permanecerão abertos, comunicou a Patrulha de Fronteira dos EUA. “Ao manter estes checkpoints abertos, a Patrulha de Fronteira está a colocar em risco pessoas não documentadas que têm medo de ser deportadas. É uma jogada nojenta que quebra com o que já foi feito no passado“, escreveu Astrid Dominguez, representante do Texas na American Civil Liberties Union (ACLU).

Muitos dos que se opuseram à lei dizem agora que, no caso de uma catástrofe natural, a vida humana sobrepõe-se à implementação de leis.

O presidente da câmara de Houston acrescentou ainda que defenderá estas pessoas, caso sejam alvo de inquérito:

Eu e outros vamos ser os primeiros a ficar do vosso lado. Se precisam de ajuda, e se alguém vem e precisa de ajuda e, por alguma razão, alguém tenta deportá-los… Eu próprio vou representar essas pessoas.”

Mas a SB-4 já não vai entrar em vigor — pelo menos não na sexta-feira. O juiz federal Orlando L. Garcia bloqueou a implementação da legislação, por a considerar inconstitucional, sendo que vai agora ser debatida e reagendada, muito provavelmente. É importante relembrar que o Texas é um estado com um governo central historicamente republicano mas com autarquias historicamente democráticas. Não é a primeira vez que as leis estatais entram em conflito com o estatuto e políticas das cidades do Texas, muitas delas “cidades santuário” que gozam de autonomia para rejeitar certas leis.

O procurador-geral do Texas, Ken Paxton, já prometeu fazer recurso da lei, acusando o juiz Garcia de “tornar o Texas menos seguro”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)