Rádio Observador

Caso José Sócrates

Sócrates vira youtuber para contestar o “embuste” do Ministério Público

1.093

Ex-primeiro-ministro publica video-comentário no You Tube para criticar tese do Ministério Público na Operação Marquês. Tudo "em legítima defesa" e em nome da "verdade".

José Sócrates contesta que tenha alguma vez atuado contra a oferta pública de aquisição da Sonae sobre a PT

José Sócrates decidiu inovar na forma como expõe a sua defesa perante as suspeitas da Operação Marquês para contestar aquilo que designa de “embuste” sobre as suspeitas relacionadas com a empresa Portugal Telecom (PT). “Verdade” deve ter sido a palavra mais vezes repetida pelo ex-primeiro-ministro. Por outro lado, “Grupo Espírito Santo” ou “Ricardo Salgado” nunca foram mencionados num vídeo claramente preparado por profissionais, em que o ex-primeiro-ministro parece ler um teleponto e no qual foram introduzidas várias infografias ao longo dos 11m53s que dura o comentário. O vídeo tinha 269 visualizações no momento da publicação desta peça.

Através de um vídeo publicado no Youtube, o ex-primeiro-ministro falou “em legítima defesa” e concentrou-se numa parte da indiciação que foi feita contra si em março de 2017 — aquando do terceiro interrogatório a que foi sujeito como arguido do inquérito liderado pelo procurador Rosário Teixeira — e que sustenta que José Sócrates terá sido alegadamente corrompido por Ricardo Salgado, então líder do BES, para favorecer o controlo da PT por parte do Grupo Espírito Santo em quatro dossiês essenciais:

  • A oposição à OPA da Sonae sobre a Portugal Telecom (PT), com a promessa de dividendos milionários par os acionistas;
  • A cisão da PT Multimédia, que permitiu ganhos de 165 milhões de euros ao GES;
  • A venda da Vivo à Telefónica em julho de 2010 por 7,5 mil milhões de euros;
  • A compra de 22,28% do capital da Oi por parte da PT por 3,5 mil milhões de euros anunciada em julho de 2010.

Deixando a cisão da PT Multimédia de lado, José Sócrates contradiz a tese do Ministério Público (MP) em cinco capítulos no seu vídeo:

  • “O fim do monopólio”. Repetindo afirmações anteriores, o ex-primeiro-ministro diz que os seus dois governos foram os que fizeram mais pela concorrência no setor das telecomunicações — uma das bases do êxito do Plano Tecnológico, uma das bandeiras do seu primeiro Executivo A prova? “A quota de mercado da PT no serviço de televisão em 2004 era de 80%. Em 2011, no fim do Governo [Sócrates], era de 35%. No serviço telefónico a quota de mercado da PT em 2004 era de 94% e em 2011 baixou para 53%. Finalmente, a internet. A quota da PT era de 82% em 2004 e em 2011 tinha apenas 49%”. “Como podem acusar-me de estar ao serviço dos acionistas da PT quando foi o meu Governo que acabou com o monopólio que beneficiou a PT durante muitos anos?” — pergunta Sócrates.
  • “A OPA da Sonae”. Sem nunca dizer o nome do Grupo Espírito Santo, utilizando em seu lugar a terminologia “alguns acionistas”, Sócrates contesta que tenha alguma vez atuado contra a OPA da Sonae. Pelo contrário, foi neutral. Repete que é falso e argumenta que o seu Governo nunca deu instruções à Parpública para votar contra (o voto foi de abstenção). O ex-primeiro-ministro apresentou como prova uma cópia de um despacho do Ministério das Finanças em que, diz Sócrates, estará explícita a instrução de abstenção dada ao representado do Estado.
  • “O voto da Caixa Geral de Depósitos”. O ex-líder do PS nega também que o seu Governo tenha dado orientação à Caixa Geral de Depósitos (CGD) para votar contra a OPA da Sonae. Para fundamentar a sua afirmação, cita declarações de Carlos Santos Ferreira, presidente da CGD nomeado pelo seu Executivo, a refutar qualquer instrução do Governo. Por outro lado, o voto da CGD não era decisivo para a derrota da OPA da Sonae. Essa derrota consumou-se com “46,58% dos votos contra e 43,9% votos a favor” da OPA. Mas mesmo que a CGD tivesse votado a favor, diz Sócrates, a OPA seria derrotada à mesma, porque o que estava em causa era mudar os estatutos da PT e essa mudança seria à mesma derrotada com apenas 33% dos votos contra, já que a CGD apenas tinha cerca de 5% do capital da PT. “A única verdade é que os acionistas votaram de acordo com os seus interesses, afirma Sócrates.
  • “O veto à venda da Vivo”. Voltando a apelidar de “corajosa” a utilização das 500 golden-shares para vetar a venda aos espanhóis da Telefónica da participação de 50% que a PT tinha na empresa brasileira Vivo, José Sócrates diz que apenas quis respeitar “os interesses estratégicos do Estado português”, porque o sector da tecnologia era vital para o país — valia 6,4% do PIB em 2010, “cerca de 1% mais do que no resto da Europa”. A internacionalização da PT permitia o sucesso da modernização tecnológica do país. “A utilização das golden-shares não foi combinada com os acionistas da PT. Foi feita contra os interesses imediatos dos acionistas Foi feita em defesa da economia portuguesa e do interesse público. Associá-la a qualquer ato menos honesto não passa de um insulto a quem quis apenas servir o seu país”, afirma Sócrates.
  • “A parceria com a Oi”. O ex-primeiro-ministro repetiu, mais uma vez, a sua tese de sempre: o negócio entre a PT e a Oi que foi feito em julho de 2010, depois de José Sócrates ter levantado o seu veto, foi “apenas uma troca de participações — no fundo, uma parceria estratégica entre as duas empresas. Só três anos depois, dois anos após o meu Governo ter cessado funções, é que foi feita a fusão entre a PT e a Oi”.

José Sócrates é suspeito na Operação Marquês da alegada prática de seis crimes:

  • corrupção
  • fraude fiscal
  • branqueamento de capitais
  • recebimento indevido de vantagem
  • tráfico de influências
  • falsificação de documento.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: lrosa@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)