Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Aconteceu no Condado de Cobb, no Estado da Geórgia, no sul dos Estados Unidos, há mais de um ano, mas só esta quinta-feira se tornou público. E já teve consequências: o processo de despedimento de Greg Abbott, o agente que aparece no vídeo que entretanto se tornou viral, está neste momento em curso.

Numa altura em que a violência e brutalidade por parte da polícia contra cidadãos afro-americanos estão na ordem do dia nos EUA, nomeadamente nos estados mais a sul do país (caso da Geórgia), o vídeo em que Abbott aparece a sossegar uma automobilista que acabou de deter por condução sob efeito de álcool ou substâncias assumiu contornos de escândalo.

Com o carro parado na berma da estrada, o agente pede à condutora, ainda ao volante, que faça um telefonema. Pelo que se percebe, a mulher estaria à espera de alguém que a fosse buscar, Abbott diz-lhe que cancele essa boleia. “Vou detê-la e mandar rebocar o carro”. Como ela não se mexe, ele aponta-lhe para as pernas:

— “Use o seu telefone, está aí, no seu colo!”
— “Ok… Só não quero baixar as mãos… desculpe, mas já vi demasiados vídeos de polícias…”
— “Mas você não é negra! Lembre-se, nós só matamos pessoas negras. Nós só matamos pessoas negras, certo? Em todos esses vídeos, viu algum branco ser morto?”

O agente até podia estar a ser irónico, como têm defendido inúmeros internautas, mas de pouco lhe serviu. Um ano após a câmara instalada no carro da patrulha ter captado o momento, o vídeo foi divulgado e o destino do agente decidido. À imprensa, o advogado de Greg Abbott garantiu que o tenente já não se encontra em funções.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR