Ri Chun-hee costuma ser portadora de más notícias. Foi ela que anunciou — lavada em lágrimas — a morte de Kim Il-sung, em 1994; a morte do seu filho, Kim Jong-il, em 2011; e ainda os últimos três teste nucleares levados a cabo pelos norte-coreanos, incluindo o deste domingo. Umas vezes vestida de preto (quando a ocasião assim o exige), mas quase sempre de cor-de-rosa, a expressiva apresentadora de televisão é hoje um dos rostos mais famoso da Coreia do Norte.

[jwplatform 7MYGHe0q]

Mas quem é Ri Chun-hee? Como muitas coisas no seu país, Chun-lee é um mistério. A par de um talento nato para anunciar as notícias mais dramáticas e de um gosto especial pelo cor-de-rosa, pouco se sabe.

[Veja no vídeo o momento em que Ri Chun-hee, com notório pesar, a morte do “nosso grande camarada” Kim Jong Il]

A apresentadora veterana que saiu da reforma para anunciar os testes nucleares

Ninguém sabe ao certo quando é que Ri Chun-hee nasceu, mas a data mais provável é 1943. Estudou teatro na Universidade de Pyongyang e, mais tarde, foi recrutada pela televisão estatal, a KCTV, a única que existe na Coreia do Norte. Terá aparecido no ar pela primeira vez em 1971, construindo uma carreira sólida que dura há quase 50 anos (isto, se as datas estiverem corretas).

Veterana da televisão, ensinou muitas das apresentadoras que hoje trabalham para a KCTV. Em 2012, numa entrevista ao canal chinês CCTV, revelou alguns dos segredos do seu ofício: é preciso adequar a linguagem e o tom de voz ao tipo de notícia. Nem sempre é preciso gritar, explicou na altura. De acordo com a sua própria versão, este ensinamento ter-lhe-á sido passado pelo próprio Kim Il-sung, fundador da nação, que olhou por ela com “carinho e dedicação”.

Em 2012, Ri Chun-hee, decidiu dar lugar à geração mais nova, passando para segundo plano. Contudo, quatro anos depois foi tirada da reforma para anunciar ao mundo que a Coreia do Norte tinha concluído, com sucesso, um teste nuclear. Um sinal de que Kim Jong-un quer voltar “à ideologia dura dos tempos da Guerra Fria”, usada pelo seu avô, Kim Il-sung, como explicou na altura ao Mashable Victor Cha, diretor do centro de estudos asiáticos da Georgetown University. Para o especialista, o regresso de Chun-hee pretendeu “recapturar a grandeza” do tempo do fundador da nação. “Não foi por acaso que a trouxeram de volta.”

“É o equivalente ao regresso de Walter Cronkite”, disse Michael Madden, do site North Korea Leadership Watch, também ao Mashable. “Ou, para as gerações mais novas, o regresso de Tom Brokaw, Peter Jennings ou Dan Rather. Ela é a apresentadora de topo da televisão norte-coreana.”

https://www.youtube.com/watch?v=pJSYwN0YnU0

A verdade é que, desde janeiro de 2016, a veterana tornou-se novamente num rosto regular na televisão norte-coreana. Aos 74 anos, foi ela que anunciou o teste nuclear deste domingo. Acredita-se que este que tenha sido cinco vezes mais forte do que o último ensaio, em setembro do ano passado, e três vezes superior ao da bomba que destruiu Hiroshima em 1945.