Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Era uma das jóias da coroa do ambicioso programa de obras públicas do primeiro governo de José Sócrates. Além das linhas ferroviárias de alta velocidade Lisboa/Porto e Lisboa/Caia, da Terceira Travessia sobre o Tejo e das 7 subconcessões rodoviárias, o novo aeroporto de Lisboa era um dos projetos mais desejados por Sócrates — um primeiro-ministro que defendia as virtualidades económicas e sociais do investimento público em grandes obras públicas, independentemente dos avisos de economistas de vários quadrantes sobre o excesso de endividamento que seria necessário para pagar tantas obras.

Avaliado em cerca de 5 mil milhões de euros, o novo aeroporto de Lisboa foi uma das obras que maior interesse despertou entre as empresas de obras públicas nos anos de 2007/2008. O primeiro consórcio a ser constituído, e aquele que cedo começou a ser apontado como favorito, chamava-se Asterion e tinha a seguinte composição:

  • Era liderado pela Brisa (líder do mercado de concessões rodoviárias) e pela Mota e Companhia (maior construtora nacional);
  • Os bancos financiadores (e acionistas do consórcio) eram os três principais bancos portugueses: Caixa Geral de Depósitos, BCP e BES;
  • Do consórcio faziam ainda parte as construtoras Somague, MSF Construções e Lena Construções.

Quem era o representante da Lena Construções no consórcio Asterion? Carlos Santos Silva. A revelação foi feita por Rui Horta e Costa nos autos da Operação Marquês, aquando da sua constituição como arguido a 7 de fevereiro de 2017 pelos crimes de corrupção ativa, fraude fiscal qualificada, burla qualificada e branqueamento de capitais. Horta e Costa foi considerado suspeito pela equipa do procurador Rosário Teixeira devido ao alegado favorecimento de José Sócrates e Armando Vara no financiamento concedido pela Caixa Geral de Depósitos ao empreendimento de Vale do Lobo — do qual Horta e Costa era administrador. Na prática, e tendo em conta o principal crime pelo qual foi indiciado, o economista é suspeito de alegadamente ter corrompido Sócrates e Vara.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Questionado sobre se conhecia aquele que é apontado como o testa-de-ferro de Sócrates, Rui Horta e Costa respondeu que conhecia Carlos Santos Silva do consórcio Asterion — precisamente porque Santos Silva era o representante do acionista Lena Construções na Comissão Executiva por si liderada desde setembro de 2008 por convite da Brisa e da Mota.

Na perspetiva da investigação da Operação Marquês, este consórcio tem uma composição que inclui, direta e indiretamente, os seguintes arguidos:

  • Rui Horta Costa — presidente da Comissão Executiva da Asterion;
  • Ricardo Salgado — líder da Comissão Executiva do BES;
  • E Carlos Santos Silva — administrador da Lena Construções

E as seguintes características:

  • Quer a Mota-Engil de António Mota, quer o Grupo Lena dos irmãos Barroca foram duas das construtoras que mais cresceram em termos de volume de negócio durante os dois Governos Sócrates;
  • O Grupo Mota, por exemplo, ameaçou mesmo a liderança da Brisa nas concessões rodoviárias ao ganhar com a concessionária Ascendi (uma parceria com o BES), uma parte significativa dos concursos das sete subconcessões rodoviárias lançadas pelo Governo Sócrates entre 2008 e 2010.

Uma das primeiras grandes lutas entre Cavaco e Sócrates

A localização do novo aeroporto de Lisboa foi uma das causas do primeiro choque frontal entre o então Presidente Cavaco Silva e o primeiro-ministro José Sócrates. Cavaco Silva contestava a localização da Ota que tinha sido decidida pelo governo do PS logo em 2005 (dando seguimento a uma decisão de 1999 do Governo Guterres). Com a ajuda de vários estudos patrocinados pela sociedade civil que contestavam a Ota como a melhor escolha por razões técnicas (localização pouco adequada em termos de construção e de segurança) e económicas (a opção estava em cerca de 7 mil milhões de euros), Cavaco forçou Sócrates a mudar de opinião.

Com base num estudo encomendado ao Laboratório Nacional de Engenharia Civil, o então primeiro-ministro anunciou em janeiro de 2008 a zona do Campo de Tiro de Alcochete como a escolha definitiva para o novo aeroporto de Lisboa. Meses antes, o ministro Mário Lino (titular das Obras Públicas de Sócrates), tinha dito, recorrendo ao seu melhor francês, que jamais a Margem Sul seria uma hipótese a considerar. Porquê? Porque era uma área onde “não há gente, não há escolas, não há hospitais, não há indústria, não há comércio, não há hóteis”.

Esta escolha coincidiu com o início da crise financeira mundial. Precisamente no mês em que Rui Horta e Costa tomou posse como presidente da Asterion (Setembro de 2008), acumulando o cargo com a administração do empreendimento de Vale do Lobo, o banco de investimento norte-americano Lehman Brothers declarou falência. Apesar do reforço dos avisos do Presidente da República e de um número crescente de economistas para os riscos de aumentar o défice orçamental e a dívida pública em tempo de crise, Sócrates manteve o seu plano de grandes obras públicas, só deitando a toalha ao chão em 2010. Em maio desse ano, anunciou a suspensão da construção do novo aeroporto de Lisboa e de outros projetos.

O modelo económico previsto pelo Governo Sócrates para a construção do aeroporto implicava a privatização parcial da ANA — Aeroportos de Portugal. O novo Governo de Passos Coelho manteve essa privatização, alargando mesmo o seu âmbito, mas as construtoras e os bancos que faziam parte do consórcio Asterion perderam o interesse. Segundo declarou Horta e Costa, o que lhes interessava era a construção do aeroporto — e não a gestão da ANA.

A Brisa manteve-se como líder do consórcio, substituiu a Mota e Companhia pela construtora brasileira Odebrecht e juntou-lhe o Grupo AGI, ligado à gestão de aeroportos. Mas não chegou a avançar com uma proposta vinculativa. A privatização da ANA viria a ser ganha em dezembro de 2012 com uma proposta de cerca de 3 mil milhões de euros do consórcio liderado pelos franceses da Vinci.