As entradas gratuitas aos domingos nos museus, palácios e monumentos nacionais atraíram mais 2000 visitantes em julho, primeiro mês em que vigorou a medida aprovada no ano passado, revelou fonte oficial à agência Lusa, esta sexta-feira. As entradas gratuitas nestes espaços culturais foram suspensas em 2014 pelo anterior Governo, e retomadas a 2 de julho deste ano, após a confirmação da tutela, que estava a estudar a medida.

Contactada pela agência Lusa sobre o balanço destas entradas gratuitas, aos domingos e feriados, restringidas aos residentes nacionais, até às 14h00, fonte da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) indicou que se “verificou um pequeno aumento” em julho, comparativamente ao ano anterior. Em julho de 2016, o número de visitantes ascendeu a 29.321, enquanto em julho deste ano, os visitantes ultrapassaram as 31 mil entradas, segundo as estatísticas oficiais. Para a DGPC, “é de esperar uma tendência gradual de aumento até a nova medida se consolidar nos hábitos dos visitantes”.

Quando a medida foi suspensa, em 2014, as entradas passaram a ser gratuitas apenas no primeiro domingo de cada mês, durante todo o dia, e a Direção-Geral do Património Cultural criou um bilhete destinado às famílias numerosas. Em novembro do ano passado, foi aprovada na Assembleia da República, na especialidade, uma proposta do PCP de alteração da proposta de lei do Orçamento do Estado para 2017, que determinava a reposição da gratuitidade da entrada nos museus e monumentos nacionais, nos domingos e feriados, até às 14h00, para todos os cidadãos residentes em território nacional.