A preservação dos Oceanos obriga os países a pensarem além das áreas de soberania e jurisdição, afirmou a ministra do Mar, esta sexta-feira, que prometeu uma declaração de compromissos “robusta e abrangente” da cimeira ministerial a decorrer em Lisboa.

Ana Paula Vitorino sublinhou que “dependemos dos Oceanos para a nossa saúde e bem-estar”, defendendo que os países só conseguirão limpar as suas próprias áreas marítimas se agirem para além delas. “Temos de ter a coragem de ir mais além do que limpar o nosso quintal”, ilustrou, apelando às 70 delegações presentes para que se empenhem em concretizar os compromissos internacionais que os seus países assumiram.

Ana Paula Vitorino apelou ainda à necessidade de “sociedades azuis” que consigam aproveitar os recursos oceânicos sem acabar por os destruir, seja pela exploração excessiva, pelos efeitos da poluição. Portugal sabe bem isto, afirmou, por “97% do seu território ser espaço marítimo”.