Pedro Passos Coelho

Pedro Passos Coelho concorda com o Presidente da República: é preciso “intensificar” crescimento

214

Pedro Passos Coelho disse concordar com Marcelo Rebelo de Sousa sobre a necessidade de Portugal "intensificar o ritmo de crescimento" da economia, o qual "não é suficiente".

NUNO VEIGA/LUSA

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, disse esta sexta-feira concordar com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sobre a necessidade de Portugal “intensificar o ritmo de crescimento” da economia, o qual “não é suficiente”.

“Hoje é tempo de dizer que o nível de crescimento que temos não é suficiente para vencer as responsabilidades que se foram acumulando ao longo dos anos e o investimento que é preciso fazer para futuro”, afirmou o líder do PSD, durante um jantar autárquico do partido em Évora.

Passos Coelho admitiu que, “inegavelmente, o crescimento da economia tem sido positivo”, mas, alertou, que “quem ouça os responsáveis do Governo e dos partidos que o apoiam fica com a ideia de que tudo está a correr da melhor maneira”.

É “muito discutível” que o crescimento económico do país “tenha atingido o patamar” que é preciso que “venha a atingir durante uns bons pares de anos”, disse o presidente do PSD, lembrando que o Presidente da República (PR) “tem falado em crescimentos acima de 3%”.

“Não encontramos, entre os economistas, um valor que seja absolutamente consensual, mas tendo a concordar com esta observação que o PR fez de que nós precisamos de intensificar o ritmo do crescimento”, defendeu.

No jantar autárquico do PSD em Évora, com a presença de militantes e de António Costa da Silva, cabeça de lista social-democrata à câmara da capital de distrito, nas autárquicas de 01 de outubro, o líder nacional do partido sublinhou que, para aumentar o ritmo do crescimento económico, o país não pode “viver apenas da conjuntura” favorável.

“É muito importante, em vésperas de apresentação de um futuro Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), que o Governo se vá compenetrando, e os partidos que o apoiam”, de que “é crítica” a necessidade de o país se focar em “gerar rendimento e emprego que possa trazer salários mais elevados e não salários mais baixos”.

Na sua intervenção, Passos Coelho aludiu também aos dados hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) relativamente à balança comercial de Portugal.

“Não direi que são negativos. Não são negativos, no sentido em que o que têm de negativo pode não ser uma coisa que venha para ficar, pode ser invertida, mas [a balança comercial] vem já revelando alguns sinais que é preciso olhar com atenção”, alertou.

O défice comercial está a agravar-se e, apesar de “ainda” não ser “uma coisa preocupante”, esse agravamento “tem-se vindo a consolidar ao longo dos meses”, salientou.

“Como vamos iniciar agora este último semestre, comparando com o do ano passado, que foi realmente excecional, os resultados, quando começarmos a comparar as coisas, podem parecer muito menos positivos do que” o que “foi insuflado”, avisou Passos Coelho.

Antes do jantar na capital de distrito, o presidente do PSD passou também por Reguengos de Monsaraz, onde, acompanhado pela cabeça de lista do partido àquela câmara, Elsa Bento Góis, visitou a Fábrica Alentejana de Lanifícios.

Os dados hoje divulgados pelo INE indicam que as importações aumentaram em julho 12,8% e as exportações 4,6%, em termos homólogos, agravando-se o défice da balança comercial para 1.057 milhões de euros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O PS é que sabe fazer política!

António Valle
837

Passos quis mudar a mentalidade e a cultura política. António Costa, que personifica a velha mentalidade e a velha cultura política, não deixou. Não quis! E travou a necessária mudança.

Pedro Passos Coelho

Coragem

Alexandre Homem Cristo
849

É razoável supor que os protestos produziram dano efectivo na vida de Passos Coelho: antes havia três universidades interessadas na sua contratação, depois dos protestos só uma realmente avançou.

PSD

Primavera chuvosa (e um até já)

Maria João Avillez
139

Convinha reparar que na cave e subcave onde se fabrica o veneno, a temperatura da indignidade e o grau da brutalidade – do insulto, da falsidade, do ódio – atingem picos que nunca se viram, nem usaram

Rui Rio

PSD: tanta Silva e Penedos no Rio

José Pinto

As sondagens provam que a erosão do PS de Costa não é acompanhada pela subida firme ou sustentada do PSD. Há uma orfandade que pode abrir espaço para o surgimento de uma nova proposta partidária.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)