Cerca de 150 ativistas ambientalistas portugueses e espanhóis participaram este sábado em Navalmoral de la Mata, Espanha, numa concentração antinuclear pelo encerramento da central de Almaraz.

“O balanço é muito positivo. A ação decorreu na cidade mais próxima de Almaraz (central nuclear), num terreno onde não é muito fértil trazer o tema porque, ainda assim, Almaraz é um dos maiores empregadores da zona”, disse à agência Lusa o vice-presidente da Quercus, Nuno Sequeira.

O Foro Extremeño Antinuclear convocou para este sábado uma concentração pelo encerramento da central de Almaraz em Navalmoral de la Mata, Espanha, que contou com o apoio do Movimento Ibérico Antinuclear (MIA), cuja associação ambientalista Quercus, integra.

Nuno Sequeira explicou que o corolário da concentração, entre as 11:00 e as 13:00 horas portuguesas, foi a construção de uma réplica da central (Almaraz) com caixas de cartão e o posterior desmantelamento da central nuclear, cerca das 12h00. “Foi um ato simbólico, mostrando que é possível e necessário que se faça o desmantelamento da central”, frisou.

O ambientalista explicou ainda que não foi uma grande concentração, mas ficou assente e serviu para o marcar do início do ano político.

“Os partidos têm de trazer novamente à discussão política o tema. O balanço é positivo e será a primeira de várias ações que irão decorrer no próximo ano político”, disse.

Nuno Sequeira adiantou ainda que além dos cerca de 150 ativistas presentes, dos quais duas dezenas de portugueses, foram muitos os milhares de pessoas que passaram pela praça e que foram sensibilizadas para o tema.