A cotação da moeda digital bitcoin dissipou, nesta segunda-feira, parte dos fortes ganhos dos últimos meses, com notícias de que o governo chinês está a intensificar o combate à moeda e vai fechar as bolsas de negociação locais. A primeira fonte a noticiar a intenção do governo foi a agência Caixin, e a reação no valor da bitcoin não se fez esperar — o preço chegou a cair mais de 7% em algumas bolsas.

As primeiras notícias saíram ainda na sexta-feira, deixando antever uma nova investida do governo para limitar a utilização das moedas digitais por parte dos chineses. Já esta segunda-feira foi confirmado que o governo chinês vai proibir que as empresas dispersem capital usando criptomoedas, em mais uma notícia negativa para o preço.

Apesar dessa correção da última sessão, o preço da criptomoeda não deixa de estar a mais do que quadruplicar desde o início do ano. A cotação mantém-se acima dos 4.000 dólares por bitcoin, muito graças aos chineses e à utilização que é feita da moeda digital para contornar as regras que existem no país para a circulação de capitais.

Bitcoins. O que são, como se produzem e para que servem as moedas virtuais que os “hackers” exigem como resgate

Já em fevereiro os reguladores chineses difundiram avisos de que as bolsas de negociação seriam encerradas caso estivessem a violar — ou a permitir que outros violassem — as regras contra o branqueamento de capitais. Também na altura o preço corrigiu, mas voltou depois a subir como nunca. Um especialista em moedas digitais desvaloriza também estas notícias dos últimos dias: “não acreditamos que este problema tenha um efeito [negativo] duradouro” para os preços da bitcoin, afirmou Fran Strajnar, presidente da empresa Brave New Coin, à CNBC.

“Bitcoins podem ser um substituto moderno do ouro”