O balanço do sismo de magnitude 8,2 que atingiu na quinta-feira passada o sul do México subiu para 96 mortos, após o anúncio de mais seis mortos no estado de Oaxaca, o mais afetado, confirmou esta segunda feira o porta-voz do Presidente.

Eduardo Sanchez, porta-voz da presidência mexicana, confirmou à agência de notícias France-Presse a informação avançada pelo governador de Oaxaca, Alejandro Murat, a uma televisão local.

Sanchez anunciou também que o Presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, se deslocará hoje a esta zona, onde está prevista a distribuição de mantimentos e de abrigos.

As forças armadas criaram uma ponte aérea entre os estados de Oaxaca e Chiapas, igualmente afetado, nomeadamente para transportar máquinas de construção para limpar os escombros, acrescentou a mesma fonte.

O porta-voz reconheceu a dificuldade de distribuição de alimentos nas zonas montanhosas, de difícil acesso.

Por seu lado, o governador de Oaxaca indicou que pelo menos 12.000 habitações ficaram danificadas naquele estado.

O epicentro do sismo — o mais forte no último século no México — localizou-se no Pacífico, a cerca de 100 quilómetros ao largo de Tonala (estado de Chiapas), de acordo com o centro geológico norte-americano.

O tremor de terra fez ainda mais de 200 feridos no México, enquanto na Guatemala quatro pessoas ficaram feridas.