Os membros da Academia Portuguesa de Cinema escolheram “São Jorge”, do realizador Marco Martins, para representar Portugal na categoria de Melhor Filme Estrangeiro, nos Óscares da Academia Americana de Artes e Ciências Cinematográficas, e também na categoria de melhor filme ibero-americano nos Prémios Goya, da Academia Espanhola.

“São Jorge” conta a história de Jorge, um pugilista desempregado que tenta a todo o custo encontrar formas de sustentar a sua família durante a crise financeira que se instalou em Portugal em 2011. Este papel valeu ao ator Nuno Lopes o prémio de melhor ator no Festival de Veneza em 2016.

O filme estreou em Portugal no dia 9 de março, contando com a participação de Nuno Lopes, Mariana Nunes, David Semedo, José Raposo, Gonçalo Waddington e Beatriz Batarda nos principais papéis.

A 90ª Gala de entrega dos Óscares está agendada para o dia 4 de março de 2017 em Hollywood, na Califórnia, e vai voltar a ser conduzida por Jimmy Kimmel, tal como em 2017. Já a 32ª Edição dos Prémios Goya está prevista para o dia 3 de fevereiro, em Madrid.

Conseguir um dos cinco lugares que concorrem à estatueta dourada, na cerimónia no Dolby Theatre, não é fácil. A nomeação da Academia Portuguesa de Cinema é o primeiro passo. No ano passado, por exemplo, 89 países submeteram um filme, de onde a Academia Americana selecionou depois nove películas semifinalistas. Nessa altura, cada filme terá de começar uma corrida pelos votos, para conseguir um dos cinco assentos na cerimónia.

No ano passado, a escolha da Academia Portuguesa de cinema foi para “Cartas de Guerra”, do realizador Ivo M. Ferreira, que acabou por não integrar a seleção final dos Óscares.