A Air Berlin, segunda maior companhia aérea alemã, cancelou mais de cem voos por alegadamente 250 pilotos não se terem apresentado ao serviço por razões de doença. O cancelamento destes voos afetou os principais aeroportos alemães.

No comunicado no site da companhia, a Air Berlin disse que recebeu um número “invulgarmente elevado” de pilotos doentes e que se viu “obrigada a cancelar” 100 dos 750 voos programados. Na segunda-feira já tinham sido anunciados o fim de seis rotas de longo percurso a partir do dia 25 de setembro, como resultado do processo de reestruturação.

Os cancelamentos em massa surgem numa altura em que a companhia está em processo de insolvência e em que se aproxima a data limite para os investidores fazerem ofertas para a compra. Alguns pilotos têm inclusive mostrado as suas preocupações com o futuro da companhia. Um deles, escreve o El País, acredita que esta decisão foi um “ato de desespero”, enquanto outro piloto receia que mais voos de longo percurso sejam suprimidos antes de uma eventual compra.

O processo de insolvência foi aberto em agosto, quando o acionista maioritário da companhia, Etihad Airwats, ter deixado de prestar apoio financeiro. Na altura, a Lufthansa disse estar em negociações para tentar resgatar a empresa. A companhia recebeu também uma ajuda financeira do governo alemão no valor de 150 milhões de euros. Os investidores têm até sexta-feira para fazer propostas de compra.