Emigrantes

Associação quer regresso de jovens emigrantes para qualificar empresas nacionais

129

A Associação Empresarial de Portugal assinou um protocolo com a agência Lusa para promoção do projeto "Regresso de uma geração", que visa o retorno de "muitos milhares" de jovens emigrantes.

Além da Lusa, a AEP já assinou protocolos com as secretarias de Estado das Comunidades Portuguesas e da Internacionalização e com o Alto Comissariado para as Migrações

Paulo Carriço/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Associação Empresarial de Portugal assinou esta terça-feira um protocolo com a agência Lusa para promoção do projeto “Regresso de uma geração”, que visa o retorno de “muitos milhares” de jovens emigrantes qualificados para criarem negócios ou integrarem empresas.

Em declarações à Lusa, o presidente da Fundação AEP, Paulo Nunes de Almeida, explicou que a iniciativa se dirige a “jovens altamente qualificados”, com licenciaturas, mestrados e doutoramentos, considerando tratar-se de um “projeto estruturante para o país tendo em conta não só os problemas demográficos […] que se vão acentuar no futuro, mas também porque hoje há falta de jovens qualificados”.

Esta falta de jovens qualificados verifica-se “não só para o início de novos negócios, inovadores e em áreas de futuro”, mas também em “empresas portuguesas que hoje também já perceberam que é através da inovação e dos recursos humanos qualificados que podem competir no mercado global”, observou Paulo Nunes de Almeida.

No âmbito do projeto “Regresso de uma geração”, a AEP irá dar apoio à criação de novos negócios e facilitar o encontro entre empresas portuguesas a necessitar destes recursos humanos e de jovens que as queiram integrar; enquanto a Lusa fica com a missão de divulgar o projeto.

A fundação vai ter em funcionamento, no final deste mês, uma plataforma ‘online’ com ofertas para ambos os casos.

Questionado pela Lusa sobre o número de jovens a abranger neste projeto, Paulo Nunes de Almeida falou em “muitos milhares que vão regressar”.

Um inquérito realizado pela Universidade Coimbra no âmbito do projeto Empreender 2020 da AEP, conhecido em maio passado, revela que 70% dos jovens portugueses qualificados e emigrados nos últimos anos querem regressar ao país, sendo a saudade dos familiares e dos amigos o principal motivo.

Questionados sobre o desejo de investir em Portugal, 53% responderam afirmativamente e 47% negativamente, sendo que a maioria que pretende ter um negócio apenas pensa nisso daqui a mais de cinco anos.

Por seu lado, 30% dos jovens qualificados emigrados dizem não pretender voltar.

Mais de metade dos 1.140 inquiridos tem até 34 anos e 85% dos entrevistados possui pelo menos licenciatura.

O protocolo assinado com a Lusa, na sua sede em Lisboa, tem o intuito de divulgar o projeto da AEP, através de notícias feitas pelos jornalistas da maior agência de notícias de língua portuguesa junto de emigrantes em todo o mundo.

A presidente do conselho de administração da Lusa, Teresa Marques, frisou que, estando a agência “espalhada pelo mundo inteiro, pode claramente contribuir”, prestando também serviço público.

Teresa Marques sublinhou que o papel da Lusa é promover um “juntar de vontades”, mas vincou que a agência “não vai fugir” do seu ADN, razão pela qual “os critérios jornalísticos [na redação das notícias] são os critérios definidos pelas áreas editoriais”.

Além da Lusa, a AEP já assinou protocolos com as secretarias de Estado das Comunidades Portuguesas e da Internacionalização e com o Alto Comissariado para as Migrações e vai ainda celebrar acordos com os municípios da Figueira da Foz, Santa Maria da Feira, Arcos de Valdevez, Anadia, Vila do Conde, Fundão e de Alenquer.

O Reino Unido é o país que acolhe mais portugueses qualificados, seguido da Alemanha, França, Holanda e Suíça, tendo o pico da emigração sido em 2012.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Moçambique

A extradição de Chang e o futuro da Frelimo

Manuel Matola

Apesar da complexidade do caso e da gravidade das acusações contra Manuel Chang, uma eventual extradição para Moçambique garantiria de que o processo-crime que corre em Maputo teria uma morte natural.

África do sul

África do Sul – Que Futuro?

Jaime Nogueira Pinto

Em vésperas de eleições, a República da África do Sul vive dias instáveis, entre a democracia e a cleptocracia. E radicalização de um ANC em quebra eleitoral pode por em causa os equilíbrios do regime

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
364

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)