Uma criança morreu esta terça-feira na localidade de Sortelhão, Guarda. Inicialmente, fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) da Guarda disse à Lusa que a morte poderia ter sido provocada por inalação de monóxido de carbono, mas corrigiu mais tarde, dizendo que morte “foi alegadamente provocada por comprimidos”. A criança também teria cerca de 9 anos e não 12, como tinha sido avançado pela mesma fonte.

O CDOS da Guarda adiantou que o alerta foi dado cerca das 16:39. Pelas 18:00 estavam no local as equipas de socorro (oito homens e quatro viaturas dos Bombeiros Voluntários da Guarda) e as autoridades policiais que foram chamadas para investigar a ocorrência.

De acordo com o “Jornal de Notícias”, a “hipótese mais provável” para a morte da criança terá sido homicídio, perpetrado pela mãe, que “tentou suicidar-se a seguir”, também com medicamentos, de acordo com informação avançada por fonte da PJ. O JN confirma ainda que a mãe foi assistida no serviço de urgências do Hospital da Guarda.