Não é preciso revolver e revolver na memória até encontrar um jogo europeu do Sporting com um golo tão cedo quanto o que Doumbia marcou ao Olympiacos esta terça-feira. Há nove anos, a 21 de fevereiro, o Sporting venceu (0-3) fora o Basileia na extinta Taça UEFA. E avançou (uma semana antes havia vencido 2-0 em Alvalade) para os oitavos-de-final da prova. O primeiro golo foi (tal como o do costa-marfinense) logo aos dois minutos. Autor? Bruno Pereirinha.

Agora sim, revolvamos bem mais na memória. É que golo mais rápido do Sporting nas competições europeias foi há uns distantes quarenta e sete anos.

Jogava-se a então Taça dos Campeões Europeus. E os “leões” recebiam a 16 de setembro de 1970 no velhinho José Alvalade os malteses do Floriana. A vitória foi robusta: cinco golos sem resposta. O onze do Sporting impunha respeito: Damas, Pedro Gomes, Hilário, Fernando Tomé e Fernando Peres, na frente os velozes (e com “faro” de baliza) Marinho, Lourenço e Dinis. O treinador era o lendário Fernando Vaz.

Mas falemos de outro Fernando: o Peres. Embora médio, ainda que ligeiramente descaído para a esquerda, quase extremo, o canhoto Peres tinha (antes de deixar o Sporting e rumar ao Brasil e ao Vasco da Gama) uma impressionante média de golos no começo da década de 1970: em duas temporadas, 1970/71 e 1971/72, fez 34 golos em 68 jogos.

Contra o desconhecido Floriana, o golo de Fernando Peres (o “magriço” Lourenço faria um poker naquela tarde/noite, ou seja, quatro golos) foi logo no primeiro minuto. Não é para qualquer um. Aliás, foi apenas para Peres. Até hoje.