A sede de campanha de Joaquim Raposo, no centro de Oeiras, foi assaltada na madrugada de 1 para 2 de setembro. A informação só foi revelada pela candidatura esta terça-feira, depois de conhecido o ato de vandalismo noutra sede de um outro candidato à Câmara Municipal de Oeiras, Isaltino Morais.

O assalto à sede de Joaquim Raposo foi comunicado logo no dia 2 à polícia de Porto Salvo, que recolheu provas (impressões digitais) no local, onde havia três portas arrombadas, disse ao Observador fonte da candidatura — uma porta exterior e duas dentro do espaço da sede de campanha.

Foto disponibilizada pela candidatura de Joaquim Raposo

O facto de não ter sido roubado nada e de não existirem danos materiais, além das portas arrombadas e outras que também foram forçadas, leva a que a candidatura do socialista considere que quem entrou indevidamente na sua sede estava à procura de alguma coisa concreta, embora não adiante o que possa ser.

Foto disponibilizada pela candidatura de Joaquim Raposo

Foto disponibilizada pela candidatura de Joaquim Raposo

Na altura do assalto, que ocorreu há mais de uma semana, a PSP informou a candidatura de Joaquim Raposo que nos dias seguintes ia reforçar a vigilância no local onde se situa a sede.

Este é o segundo ato de vandalismo conhecido em poucos dias a sedes de candidatos à Câmara de Oeiras. Esta terça-feira foi noticiado o assalto à sede do candidato independente Isaltino Morais, em Linda-a-Velha, a que se junta agora o assalto à sede do candidato do PS ao mesmo município.