O site contratado pelo governo catalão à empresa CDMon para divulgação do referendo à independência da Catalunha já não está disponível para a maioria dos internautas. É o resultado da resposta à ordem judicial entregue esta quarta-feira pela Guardia Civil à CDMon, segundo revela o jornal espanhol “El Mundo”. Mas o governo regional da Catalunha não tardou na resposta, com o próprio presidente do executivo catalão, Carles Puigdemont, a publicitar um endereço alternativo.

A ordem de encerramento da página, decidida por um juiz, terá sido dada em mãos na sede da empresa, em Malgrat de Mar (Barcelona). O “El País” garante que o domínio online já foi anulado, sendo por isso apenas uma questão de tempo — entre 3 a 6 horas — até o site estar completamente indisponível.

A decisão surge na sequência do anúncio do Tribunal Constitucional de inviabilizar o referendo catalão à independência. Este tinha sido promovido pelo governo regional, que pretende que o ato eleitoral decorra no dia 1 de outubro.