Rádio Observador

Rui Vitória

Rui Vitória recusa alarmismos e lembra que “campeonatos não são fáceis”

Rui Vitória recusa alarmismos e desdramatiza o facto de o Benfica já ter cedido pontos na I Liga portuguesa de futebol. O treinador dos encarnados lembrou que "os campeonatos não são fáceis".

MÁRIO CRUZ/LUSA

O treinador do Benfica reforçou esta sexta-feira a ideia de que “os campeonatos não são fáceis” e desdramatizou o facto de os ‘encarnados’ já terem cedido pontos na I Liga portuguesa de futebol.

O técnico, que fazia a antevisão à visita ao Boavista, no sábado, da sexta jornada, lembrou o percurso dos tetracampeões nacionais nos dois últimos anos e considerou que a principal competição nacional será disputada até ao fim.

Já ganhámos uma Supertaça e tivemos jogos difíceis que também foram ganhos. Eu não sou de comparações com o passado, mas, no ano passado, por esta altura, tínhamos os mesmos 13 pontos, tínhamos 11 golos marcados e quatro sofridos, enquanto agora temos 12 marcados e três sofridos. Nunca disse que os campeonatos são fáceis. Há dois anos disputámos o campeonato até à última jornada com o Sporting e, no ano passado, passou-se o mesmo, mas com o FC Porto. Este ano alguém imagina que seja diferente?”, questionou.

Rui Vitória referiu que a única diferença entre o mesmo período da temporada transata e da atual está no ponto conquistado na Liga dos Campeões em 2016/17 (empate 1-1 com o Besiktas), algo que as ‘águias’ não alcançaram na quarta-feira, ao perderem em casa com o CSKA de Moscovo, por 2-1, na primeira ronda da fase de grupos.

Por outro lado, o treinador voltou a mostrar confiança nos jogadores que tem à disposição, apesar de admitir que é necessário “arranjar algumas nuances” no modelo de jogo, uma vez que Ederson, Nélson Semedo e Lindelöf, que deixaram a Luz neste verão, tinham características diferentes.

“Há um ano estávamos a perguntar quem iria substituir o Renato [Sanches] e o Nico [Gaitán]. Eram as mesmas conversas. O Benfica tem vivido sempre sob esta questão e as soluções foram sendo encontradas. A matéria prima que temos é diferente e vamos ter de arranjar algumas nuances no jogo, que possam valorizar os jogadores. Isto faz parte do processo das equipas”, salientou.

De resto, Rui Vitória assegurou que não gosta de “funcionar só por sensações” e voltou a fazer a defesa do médio Filipe Augusto, que tem sido o eleito para fazer dupla com Pizzi no centro do terreno. “Os dados objetivos é que me orientam. Olho mais para o que um jogador dá ao jogo, em detrimento do que pode dar. O Filipe Augusto, na Liga dos Campeões, foi o jogador que mais correu, que mais passou durante o jogo, com mais passes para a frente, o que ganhou mais duelos. São dados factuais”, defendeu.

Rui Vitória perspetivou ainda um “jogo difícil” no Estádio do Bessa, perante um Boavista que mudou de treinador esta semana, substituindo Miguel Leal por Jorge Simão. Contudo, o técnico benfiquista não acredita em alterações profundas na equipa ‘axadrezada’, embora admita que existirá “aqui ou ali uma reação típica de quando há uma mudança”.

Não acredito que haja novas ideias em dois ou três dias. Há as ideias do Miguel [Leal] e há eventuais reações dos jogadores, que nem deveriam existir, porque são os mesmos. Sabemos o que o Boavista nos pode apresentar, a forma como joga no seu estádio. Independentemente do treinador, iria sempre ser um jogo com características muito específicas”, analisou.

Benfica, terceiro classificado com 13 pontos, e Boavista, 16.º com três, jogam no sábado, a partir das 18:15, no Estádio do Bessa, no Porto, num encontro que será dirigido pelo árbitro Artur Soares Dias, da associação do Porto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)