A Europa terminou a primeira metade do 2017 com os automóveis eléctricos a registarem o maior crescimento nas vendas. Mais, inclusivamente, do que os ainda hoje muito desejados SUV e crossovers.

Segundo avança a Automotive News Europe, só durante o período entre Janeiro de Junho de 2017, o número de veículos eléctricos vendidos no Velho Continente registou uma subida de 56%, face a idêntico período de 2016. Ou seja, qualquer coisa como 27 mil veículos eléctricos mais. Terminando, assim, a primeira metade do ano com um total de 73.162 unidades transaccionadas.

Entre as propostas que mais cresceram, destaque para a versão 100% eléctrica do Hyundai Ioniq, com um total de 10 mil unidades vendidas. Número que ainda assim, segundo dados da JATO Dynamics, não chegou para colocar o automóvel sul-coreano num dos três primeiros lugares da tabela, que são ocupados, respectivamente, pelo recentemente renovado e actual líder das vendas na Europa, Renault Zoe; pelo já conhecido Nissan Leaf; e pelo BMW i3, que fez apenas mais 306 unidades que o Ioniq.

SUV e crossovers (sempre) na moda

Mas se os eléctricos conseguiram, desta feita, bater toda a concorrência, não tão distante quanto isso mantém-se o segmento dos SUV e crossovers médios, com uma subida nas vendas, no primeiro semestre de 2017, na ordem dos 36,8%, para as 989.421 unidades. “Culpa”, em grande parte, da boa receptividade conseguida pelo novo Peugeot 3008, que chegou a meio do ano com 81 mil viaturas transaccionadas. Número que o coloca no terceiro lugar da tabela, logo atrás do Nissan Qashqai (136.480) e do Volkswagen Tiguan (128.033).

Peugeot 3008

Mais discreta foi a subida nas vendas dos pequenos SUV e crossovers, a qual não ultrapassou os 1,7%, sinónimo, ainda assim, de 690.994 unidades. Com o Renault Captur a manter-se como o líder da classificação, entre os pequenos generalistas, com 112.586 carros.

Os premium não ficam atrás

Bem melhor foi a prestação deste tipo de veículos, mas no segmento premium, com a subida a cifrar-se nuns mais substanciais 23,9%, elevando para 237.542 o número de unidades transaccionadas. Com a liderança do BMW X1 (subiu 28,9%, para os 61.101 carros) a ser, de certa forma, ameaçada pela novidade Audi Q2, com um total de 42.389 unidades vendidas neste período – mais que o ‘irmão’ Q3, com 41.797 carros vendidos, cerca de menos 10 mil que em idêntico período de 2016.

Audi Q2

Também merecedora de referência, a subida de 23% nas vendas dos SUV e crossovers premium médios, com o primeiro lugar a surgir na posse do Volvo XC60 (52.147 unidades). Resultado, certamente, de campanhas extremamente agressivas de final de vida aplicadas ao modelo sueco e que lhe permitiram crescer 34,5% face a 2016, deixando o Mercedes GLC a quase 15 mil carros de distância.