Rádio Observador

Autárquicas 2017

Costa diz que Governo seguiu caminho diferente e teve “melhores resultados”

675

"Nós não tivemos só resultados diferentes, nós seguimos um caminho diferente para atingir estes resultados", explicou este sábado o primeiro-ministro, durante um comício, em Viseu.

António Costa esteve este sábado num comício no Rossio, em Viseu

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário-geral do PS, António Costa, disse este sábado que este Governo provou que um caminho diferente do que vinha sendo seguido pelo seu antecessor permitiu “ter melhores resultados” sem afetar as finanças públicas.

“Nós não tivemos só resultados diferentes, nós seguimos um caminho diferente para atingir estes resultados”, frisou o também primeiro-ministro, durante um comício no Rossio, em Viseu, realizado no âmbito das eleições autárquicas de 1 de outubro.

António Costa lembrou que se dizia que, para poder controlar as finanças públicas, “era necessário encerrar os serviços públicos, desinvestir na educação, desinvestir na saúde e, sobretudo, cortar salários, aumentar impostos e cortar nas pensões”.

“O que nós fizemos foi precisamente o contrário. Repusemos os vencimentos que tinham sido cortados e que as pessoas tinham direito a receber, aumentámos as prestações sociais, devolvemos aos pensionistas as pensões a que tinham direito e não fizemos o corte de mais 600 milhões de euros que a direita se preparava para fazer se hoje estivesse no governo”, acrescentou.

No seu entender, atualmente, quer as famílias portuguesas, quer as empresas, têm tranquilidade, esperança e confiança.

O líder socialista referiu que “é esta confiança que faz a diferença” e lembrou uma conversa que teve com uma mulher numa loja da Rua Direita, na cidade de Viseu, durante a campanha eleitoral.

“Disse-me: ‘o senhor tem razão, é necessário fazer tudo o que diz que quer fazer e eu até acredito em si e que o vai fazer, mas eu tenho muito medo que, se fizer isso, devolvendo os salários, as pensões, as prestações sociais, baixando o IRS, o país volte a ficar mal nas suas finanças públicas'”.

António Costa afirmou ter percebido nessa altura que “muita gente tinha medo”.

“Mas hoje a nova confiança que há no PS é porque o PS provou, ao fim de dois anos, que honrando a sua palavra, tendo cumprido tudo aquilo que prometeu, as finanças públicas estão hoje melhor”, sublinhou, prometendo “continuar a investir no que é essencial”, em áreas como a educação e a saúde.

O secretário-geral do PS considerou “fundamental dar continuidade a esta política, que tem combinado a preocupação central da melhoria das condições de vida das pessoas, que tem dado prioridade ao crescimento da economia e do emprego, mas que não deixa de dar atenção ao rigor na gestão orçamental”.

“Para que não voltemos a correr nenhum risco e tudo aquilo que ganhámos nestes dois anos não seja de novo perdido e não haja de novo um retrocesso como aconteceria se a direita voltasse a ganhar as eleições em Portugal”, acrescentou.

À Câmara de Viseu concorrem o atual presidente, Almeida Henriques (PSD), Lúcia Araújo Silva (PS), Paula Jacinta Amaral (CDS-PP), Filomena Pires (CDU), Fernando Figueiredo (BE) e Carolina Almeida (PAN).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)