Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Mihaly Siska era húngaro. Foi guarda-redes do FC Porto na década de 1920 do século passado. Seria treinador dos portistas na década seguinte, logo que pendurou as luvas. Foi ele o primeiro dos técnicos (ainda o FC Porto jogava no velhinho Campo da Constituição) a conseguir vencer as seis primeiras jornadas do campeonato pelo clube. Foi na época de 1938/39. Nessa e na seguinte. Em ambas o FC Porto seria campeão — sempre à frente do Sporting.

Muitos e muitos anos volvidos, outro treinador, Artur Jorge, o Rei Artur que em 1987 deu em Viena o primeiro titulo europeu ao FC Porto, tornaria a vencer nas seis primeiras jornadas. Foi na temporada de 1990/91. O argelino Rabah Madjer (o tal que em Viena se tornaria — ele e o calcanhar dele — lendário) ainda vestia de azul-e-branco mas aquele não era mais o FC Porto da final europeia contra o Bayern em 1987. O campeão nessa época foi o Benfica de Sven-Göran Eriksson.

Ter-se-ia Siska (e o feito de Siska) tornado uma maldição para o treinador que no campeonato vencesse seis jogos de enfiada pelos Dragões?

Longe disso. Jesualdo Ferreira conseguiu-o em 2007/08 e foi campeão. André Villas-Boas consegui-lo-ia em 2010/11 e sagrar-se-ia igualmente campeão. Sérgio Conceição é o senhor que se segue (depois de este domingo o FC Porto ter derrotado o Rio Ave) quanto às seis vitórias de seguida nas seis primeiras jornadas. A dúvida é perceber se será como o “antecessor” Villas-Boas ou como o único treinador que esborratou a pintura de Mihaly Siska, Artur Jorge. Para já é líder do campeonato — par a par com o Sporting.