Rádio Observador

José Sócrates

Sócrates: “António Costa e a cúpula do PS viraram-me as costas”

2.397

O ex-primeiro-ministro José Sócrates diz que os últimos três anos foram "muito duros" e que Costa e a cúpula do PS lhe viraram costas. Admite recorrer ao Tribunal Europeu e nega relação com Salgado.

Sócrates insiste em reclamar inocência e diz-se "vítima de uma conspiração política, para impedir uma possível candidatura à Presidência da República"

LUIS FORRA/LUSA

Autor
  • Marlene Carriço

O ex-primeiro-ministro e principal arguido da Operação Marquês, José Sócrates, diz que António Costa e a cúpula do Partido Socialista lhe viraram as costas nestes três anos que têm sido “muito duros”. Em entrevista ao jornal “La Voz de Galicia”, o ex-governante reafirma estar a ser “vítima de uma conspiração”.

Éramos amigos, apesar de tudo o que se dizia. A nossa relação sempre foi boa. Elegi-o como ministro e como meu sucessor natural. Apoiei-o na candidatura à Câmara de Lisboa e depois à secretaria geral do partido. Tudo acabou quando me detiveram e tanto ele como a cúpula do PS me viraram as costas”. É desta forma que José Sócrates, questionado pelo jornalista, descreve a evolução da sua relação com o atual primeiro-ministro.

Detido a 22 de novembro, e suspeito dos crimes de corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais, José Sócrates admite que “os últimos três anos foram muito duros, embora não goste de me lamentar”.

Insiste em reclamar inocência e diz-se “vítima de uma conspiração política, para impedir uma possível candidatura à Presidência da República, e judicial sem precedentes em Portugal”. E a verdade é que já não sabe se voltará à política. “Estou muito desencantado.”

Confiante nos advogados, mas desacreditado na justiça portuguesa, o ex-primeiro-ministro refere que a Operação Marquês se desenrola há três anos sem acusação “porque não encontram provas contra mim” e compara-se ao ex-presidente brasileiro Lula da Silva, com a diferença que “o partido dele apoia-o e a mim não”. Deixou, porém, uma palavra de agradecimento pela luta de Mário Soares em sua defesa, e pelo apoio de “muitos simpatizantes e companheiros de partido, mesmo de outros países”.

Sócrates admite recorrer ao Tribunal Europeu e nega relação com Salgado

Questionado, Sócrates admite a possibilidade de recorrer ao Tribunal Europeu caso se esgotem todos os recursos. “Se chegar a esse ponto acusarei o juiz Carlos Alexandre e a justiça pela atuação contra mim no processo e pelo dano moral que me estão a causar. Não têm o direito de me submeter a esta pressão e desgaste físico e psíquico há três anos. Estão a tentar destruir-me e separar-me da minha família mas não conseguiram, nem conseguirão”.

O ex-primeiro-ministro nega ainda qualquer ligação a Ricardo Salgado, garantindo que nunca pertenceu ao seu “círculo próximo”, nem tinha o seu número de telefone.

Tudo o que se publicou são falsidades. Não sou amigo de Ricardo Salgado”, afirmou, acrescentando que a relação que tinham era “meramente formal e fria em alguns momentos”.

E lembra até as “discrepâncias em alguns aspetos”, como aquela vivida em finais de 2010 “quando me pressionou para pedir o resgate [financeiro], o que nos distanciou ainda mais”. Sócrates aproveita ainda para deixar uma crítica à imprensa nacional, falando em “cumplicidade e relação corrupta entre a imprensa portuguesa e a justiça”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
José Sócrates

António Costa, o da memória má /premium

José Diogo Quintela
1.536

A questão não é os portugueses terem má memória da maioria absoluta do PS, antes é os portugueses não se lembrarem bem do que aconteceu nesse tempo. Se se lembrassem, não votariam nos mesmos marotos.

Liberalismo

De onde vem a riqueza?

Telmo Ferreira

A riqueza vem das instituições políticas e económicas que permitem uma sociedade pluralista que consiga aproveitar todos os benefícios da liberdade individual e económica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)