Rádio Observador

Espaço

Astrónomos observam dois asteróides com características de um cometa

Uma equipa internacional de astrónomos observou dois asteróides a girarem à volta um do outro, entre Marte e Júpiter, com características de um cometa.

NASA HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Uma equipa internacional de astrónomos observou dois asteróides a girarem à volta um do outro, entre Marte e Júpiter, com características de um cometa (uma longa cauda e uma cabeleira brilhante), divulgou esta quarta-feira a agência espacial europeia ESA.

O corpo foi observado com o auxílio do telescópio espacial Hubble, operado pela ESA e pela congénere norte-americana NASA, com os resultados da observação a serem publicados na quinta-feira na revista científica Nature. Segundo a equipa, liderada por astrónomos na Alemanha, é o primeiro sistema binário de asteroides classificado como cometa (da cintura principal de asteroides).

O sistema binário 288P, localizado na Cintura de Asteroides, entre Marte e Júpiter, foi observado em detalhe pelos astrónomos em setembro de 2016, quando estava perto o suficiente da Terra, antes de fazer a sua maior aproximação ao Sol.

As imagens captadas pelo Hubble permitiram aos investigadores concluírem que os dois asteroides giram em torno um do outro a uma distância de cerca de 100 quilómetros e têm quase a mesma massa e o mesmo tamanho. As observações revelaram ainda que os asteroides têm atividade contínua similar à de um cometa.

“Detetámos fortes vestígios de sublimação [mudança direta do estado sólido para o estado gasoso] do gelo devido ao aumento do calor solar, [um processo] semelhante ao modo como a cauda de um cometa é criada”, afirma a coordenadora da equipa, Jessica Agarwal, do Instituto Max Planck para a Investigação do Sistema Solar, na Alemanha.

Para os cientistas, a compreensão da origem e da evolução dos cometas da cintura principal de asteroides – asteroides que orbitam entre Marte e Júpiter e que têm atividade similar a cometas – é fundamental para a compreensão da formação e da evolução de todo o Sistema Solar.

Uma das questões a que os cometas da cintura principal de asteroides podem responder é como a água chegou à Terra (estudos recentes apontam para que a água tenha chegado via asteroides gelados, e não via cometas).

De acordo com o grupo de investigadores, o sistema binário 288P é mais recente do que os asteroides que o constituem, tem cerca de 5.000 anos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)