Rádio Observador

Decoração

Pitch Market. Design português, metido em contentores, no Terreiro do Paço

116

O design de equipamento está de volta ao Terreiro do Paço, em Lisboa. Com 50 marcas portuguesas, a terceira edição do Pitch Market começa esta quinta-feira, de olhos postos na decoração.

Em vez de bancas, o Pitch Market tem pequenas lojas pop up e é com elas (50 nesta edição), que vai ocupar o Terreiro do Paço, em Lisboa, a partir desta quinta-feira e até domingo. O mercado acontece pela terceira vez e permanece fiel ao ramo do design de equipamento. Do mobiliário aos pratos e copos, tudo é para a casa e produção nacional. “Mudámos o paradigma dos mercados urbanos quando fomos para a decoração. Mas é uma forma de consumo completamente diferente. Ninguém compra nada para casa sem pensar duas vezes, mesmo sendo só um copo. Então com marcas pouco conhecidas, é preciso criar essa confiança”, afirma Tiago da Costa Miranda, responsável pela organização do mercado.

Desde a primeira edição, em 2015 (que a organização considera uma espécie de edição zero), que o Pitch Market se destacou dos restantes mercados urbanos. Tiago fala numa área da produção e da criatividade nacional pouco exposta ao público — a do design de equipamento –, sobretudo quando comparada com a moda e com os produtos chamados gourmet. A partir de quinta-feira, dia 21 de setembro, o Terreiro do Paço recebe a maior edição de sempre.

O que precisa saber

O quê? Pitch Market
Quando? De 21 a 24 de setembro, das 11h às 21h
Onde? Terreiro do Paço (Lisboa)
Quanto? Entrada gratuita

O crescimento sente-se no número de contentores e marcas, mas também no número de sponsors, além do aumento esperado nas vendas, que já no ano passado superaram as expectativas. “Somos o único mercado urbano dedicado a esta área e já se começa a formar um público. Os que já existem são para profissionais, mas aqui as marcas começaram a ganhar consciência de que o design de equipamento é uma área a apostar e da qual os portugueses gostam”, explica Tiago.

A partir desta quinta-feira, a terceira edição do Pitch Market monta 50 lojas pop-up dentro de contentores, no Terreiro do Paço, em Lisboa © Divulgação

Ao mesmo tempo que refere o potencial de exportação do setor, que tem tudo para “seguir o caminho da indústria do calçado”, o responsável pela iniciativa destaca o interesse que o público português, responsável por 70% das vendas, na última edição do Pitch Market. No que toca às marcas, o mercado vai ter de tudo um pouco. A Trinta Por Uma Linha é uma das marcas a levar o mobiliário para a Praça do Comércio, se bem que é nos têxteis e na cerâmica que se concentra a oferta. Nomes já conhecidos do público, como Laboratório d’Estórias e Anna Westerlund vão estar lado a lado com descobertas mais recentes: as almofadas da Alguidar, os brinquedos da So-So Store, as peças em cortiça de Tiago Sá da Costa, os cadernos ilustrados da Um Barra Um e os têxteis da Vianatece.

À medida que o Pitch Market ganha fama, são cada vez mais as marcas que se propõem participar, embora algumas tenham sido convidadas pela organização a habitar um contentor durante quatro dias. Vêm de todo o país e trabalham todas as matérias-primas. A diversidade de produtos é um dos critérios de seleção. “É como um pequeno centro comercial. Não há duas marcas que entrem em concorrência direta”, afirma Tiago.

A organização espera levar 120 mil visitantes ao Terreiro do Paço, num mercado que contraria a fama mais elitista do design de autor com um intervalo de preços que vai dos cinco aos 5.000 euros. A terceira edição chega ainda com uma programação paralela. Destaque para a exposição da Vista Alegre, com artesãos da fábrica centenária a mostrarem, ao vivo, os preceitos da pintura manual das peças. Alguns DJ, workshops e conversas em torno do setor do design completam a agenda.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)