É o valor mais alto de que há registo, pelo menos desde o pico da crise financeira de 2013. Desde então, o preço das casas já valorizou 25%, de acordo com o índice de preços da habitação do Instituto Nacional de Estatística (INE), divulga hoje o Jornal de Negócios. Só este ano, essa subida já chega a 5%.

Um resultado para o qual muito pesou o preço das casas usadas, cuja subida duplicou face à dos imóveis novos, e que reflete a recuperação do mercado imobiliário nos últimos dois anos. A crescente disponibilidade das instituições financeiras para a concessão de crédito para compra de casa também contribuiu para este bom momento do mercado.

Também de acordo com os mesmos dados, do total de transações feitas nos primeiros seis meses deste ano, 42,9% foram feitas através de empréstimo, sendo que as restantes 57,1% foram pagas a pronto. Isto significa que há seis anos que não eram vendidos tantos imóveis através de recurso ao financiamento. No primeiro semestre deste ano, os bancos nacionais emprestaram 3,8 mil milhões de euros para compra de habitação.

De acordo com o INE, o índice de preços da habitação atingiu 115,51 pontos no segundo trimestre deste ano, um valor máximo desde o início de 2009, altura em que atingiu um mínimo de de 92,25 pontos. Face ao mesmo trimestre de 2016, os preços subiram 8%, o que significa a maior valorização desde que há registo.