Rádio Observador

Agências de Rating

Moody’s: bancos portugueses fizeram progressos mas persistem problemas

A agência de rating divulgou esta quinta-feira a sua análise ao sistema bancário português e destacou os baixos rácios de crédito do Santander. O Novo Banco e o Montepio têm os piores ativos.

A Moody's analisou o processo de venda do Novo Banco

ANDREW GOMBERT/EPA

A Moody’s considera que os maiores bancos portugueses têm feito progressos na melhoria da qualidade dos ativos e no reforço de capital, mas que o ainda elevado crédito problemático e a baixa rentabilidade persistem como problemas.

A agência de ‘rating’ divulgou esta quinta-feira a análise à Caixa Geral de Depósitos (CGD), BCP, Santander Totta, Novo Banco, BPI e Montepio feita por María Viñuela, analista da Moody’s que acompanha o sistema bancário de Portugal.

Quanto ao risco dos ativos que os bancos têm no seu balanço, a Moody’s destaca os mais baixos rácios de crédito problemático (NPL – non-performing loans, na gíria do setor em inglês) do Santander Totta (7,7% do total de crédito em junho) e do BPI (7%), enquanto considera que a CGD e o BCP que têm feito progressos, mas mais lentamente (ainda com rácios ainda de 13,5% e 17%, respetivamente).

Novo Banco e Montepio têm, segundo a Moody’s, a pior qualidade de ativos, com rácios de crédito malparado à volta de 32% e 20%, e considerando ainda que as suas provisões são fracas.

Para a Moody’s, “até ao momento, a recuperação económica de Portugal ainda não foi robusta o suficiente para levar a uma redução significativa” do crédito problemático, enquanto em Espanha os bancos têm conseguido retirar este ‘peso’ do seu balanço, através de vendas de ‘portfolios’ desses créditos.

Já quanto à capitalização dos bancos, genericamente a Moody’s considera que houve um fortalecimento dos rácios de capital, destacando pela positiva a capitalização do Santander Totta e do BPI, ambos detidos por grupos bancários espanhóis. O Santander Totta pertence ao espanhol Santander e o BPI é controlado pelo grupo catalão Caixabank.

Quanto ao BPI, a Moody’s alerta, contudo, que os rácios de capital deste não capturam totalmente os riscos da exposição ao mercado angolano (onde tem o BFA – Banco de Fomento de Angola).

A empresa de notação de crédito destaca ainda como positivos os recentes aumentos de capital do BCP, CGD e Montepio, mas ainda abaixo da média do grupo analisado, enquanto o Novo Banco é o que apresenta piores indicadores em rácios de capital

A Moody’s refere-se, em específico, ao Novo Banco e Montepio para afirmar que os seus níveis de capital têm baixa capacidade de absorção de perdas.

A prejudicar os bancos portugueses no esforço de capitalização está, segundo a Moody’s, a sua baixa rentabilidade.

Segundo María Viñuela, CGD, Montepio e Novo Banco têm uma capacidade de gerar resultados “particularmente fraca”, e ainda demorará a que a reestruturação que estes bancos levaram e ainda estão a levar a cabo se reflita em melhores resultados.

Já no BCP e BPI, diz, a rentabilidade é suportada pelas operações internacionais que detêm.

Apenas o Santander Totta escapa nesta análise, uma vez que tem tido lucros significativos.

Quanto ao processo de venda do Novo Banco, a Moody’s espera que esse reforce os seus níveis de capital, mas avisa dos riscos de liquidação do banco se a venda não se concretizar, uma vez que está dependente da recompra de dívida própria por parte do banco, ainda em curso.

A liquidação do Novo Banco deverá implicar perdas para os detentores de dívida sénior, mas também para os depositantes ‘juniores’, avisa.

O Governo anunciou na semana passada que vai alterar as regras de hierarquização de credores nos casos de resolução ou liquidação bancárias, distinguindo dívida sénior de grandes depósitos – que pertençam a grandes empresas, de entidades públicas e de fundos de pensões – para que estes sejam os últimos a ser chamados, ficando mais protegidos.

Segundo a imprensa, esta alteração tem em vista precisamente o caso do Novo Banco, para proteger os grandes depósitos, caso o banco não seja vendido e tenha de ser liquidado.

É que, na legislação, atualmente, em vigor, se o banco alvo de insolvência ou de resolução não tiver fundos suficientes para fazer face a todos os passivos, “há uma graduação de credores que coloca ao mesmo nível a dívida sénior e os depósitos de grandes empresas.”

Esta alteração legislativa, que terá de ainda de ser aprovada em Conselho de Ministros e depois também no parlamento, surge na sequência de uma proposta do Banco de Portugal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)