Ponte 25 de Abril

Miradouro na Ponte 25 de Abril abre na quarta-feira

675

Abre na quarta-feira um miradouro junto ao tabuleiro da Ponte 25 de Abril. O miradouro vai permitir uma vista privilegiada de Lisboa até à outra margem.

Rodrigo Antunes/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Um miradouro junto ao tabuleiro por onde circulam os carros na Ponte 25 de Abril, a 80 metros de altura, junto ao pilar 7, abre na quarta-feira, permitindo uma vista privilegiada de Lisboa até à outra margem.

O Experiência Pilar 7 — Centro Interpretativo da Ponte 25 de Abril, na Avenida da Índia, abre ao público no Dia Mundial do Turismo e partiu de uma ideia da Infraestruturas de Portugal (IP), aquando dos 50 anos da Ponte 25 de Abril, comemorados no ano passado.

À semelhança do que já acontece noutras pontes do mundo, como a Golden Gate Bridge, em São Francisco (Estados Unidos da América (EUA), a Harbour Bridge, em Sydney (Austrália), e a Tower Bridge, em Londres (Reino Unido), o objetivo é “poder explicar e tornar acessível às pessoas como é a história [da ponte], qual o objetivo, como funciona, como é por dentro”, disse hoje o diretor-geral do Turismo de Lisboa, Vítor Costa.

Antes de chegar ao miradouro, com chão e paredes de vidro, a visita começa numa sala onde está a maquete original da infraestrutura, a que se segue uma espera pela subida num primeiro elevador na Sala dos Trabalhadores, onde, numa homenagem aos que construíram a ponte, são projetados, a 360º, quatro pequenos filmes que mostram a construção e intervenções na ponte sobre o Tejo.

A visita passa ainda por uma sala com espelhos, para dar a ilusão de profundidade do pilar, e por um passadiço com vista para a zona ribeirinha, que vai até a um outro elevador panorâmico. Este levará o visitante até à altura do tabuleiro rodoviário, a cerca de 80 metros.

O ponto que se destaca é o elevador, que permite experiências interessantes. Há todo um centro de interpretação dentro do pilar da ponte, onde as pessoas podem saber as técnicas utilizadas, ver pequenos filmes da época da construção, como é que os operários fizeram a ponte”, explicou Vítor Costa, numa apresentação para a imprensa.

Após a descida está disponível um simulador que permite ao visitante acompanhar, através de realidade virtual, uma equipa de manutenção da ponte. “Dá mesmo a sensação de que estamos lá”, salientou o responsável.

O projeto custou 5,3 milhões de euros, assegurados parcialmente pela taxa turística que é cobrada aos turistas que visitam Lisboa. O equipamento vai ser gerido pela Associação de Turismo de Lisboa por um período de 15 anos e espera 150 mil visitantes anuais.

Os bilhetes variam entre os quatro euros (estudantes, seniores ou por pessoa em grupos de 10 ou mais visitantes) e os seis euros. Para crianças até aos cinco anos é de graça. A sessão de realidade virtual custa 1,5 euros. O centro está aberto entre as 10h00 e as 20h00 de maio a setembro e entre as 10h00 e as 18h00 entre outubro e abril.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

SNS, Público ou Privado?

Fernando Leal da Costa

Só com uma generalização obrigatória do modelo da ADSE poderemos colocar todo o sistema de saúde ao serviço de todos os portugueses e investir no SNS para aquilo em que ele for mesmo insubstituível.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)