Saúde

Bastonário apela ao ministro da Saúde que chegue a entendimento com os médicos

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, acredita num entendimento entre os médicos e o Ministério da Saúde, apelando ao ministro para que "chegue a um entendimento" com os sindicatos.

TIAGO PETINGA/LUSA

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, afirmou esta terça-feira à Lusa que acredita num entendimento entre os médicos e o Ministério da Saúde, apelando ao ministro para que “chegue a um entendimento” com os sindicatos.

“Os sindicatos falaram da greve e disseram que estão em fase de negociação com o Ministério da Saúde e penso que esta quarta-feira vai haver nova reunião e existe margem de manobra para que cheguem a um entendimento”, disse, em declarações à agência Lusa.

Miguel Guimarães deixou um apelo ao ministro da Saúde: “negocie com os sindicatos dos médicos e chegue a um entendimento, porque não estão a pedir nada de especial”. O bastonário da Ordem dos Médicos adiantou estão a negociar a reposição de algumas matérias que foram “alteradas no tempo da ‘troika’ e que já deviam ter sido normalizadas e ainda não foram”.

Os médicos fazem horas extraordinárias a mais, que não eram necessárias se existissem médicos suficientes. Uma das reivindicações dos sindicatos tem a ver com a diminuição de obrigatoriedade das horas anuais extraordinárias das 200 para 150 horas e com a passagem de horário normal de 18 horas de serviço de urgência para as 12 horas, com as restantes a trabalharem nos outros serviços, como bloco operatório ou consultas externas”, explicou.

Miguel Guimarães, que disse que outra das medidas defendida é a redução da lista de utentes por médico de família, que atualmente se situa nos 1.900 utentes por médico, para um máximo de 1.500, ainda acredita que as partes ainda vão conseguir chegar a um entendimento.

Acho que é possível, o Ministério da Saúde só terá a ganhar. Percebo as preocupações do Ministério da Finanças e a pressão que faz sobre outros ministérios, como o da Saúde, mas estamos a contribuir para um melhor acesso aos cuidados de saúde”, salientou.

Os sindicatos médicos anunciaram que vão realizar greves rotativas por regiões em outubro e uma paralisação nacional em novembro.

As greves regionais começam em 11 de outubro na região norte, seguindo-se a região centro em 18 de outubro e a região sul em 25 de outubro. O anúncio foi feito pelo Sindicato Independente dos Médicos e pela Federação Nacional dos Médicos à saída de uma reunião negocial no Ministério da Saúde.

A paralisação nacional está marcada para 8 de novembro.

O bastonário falou à Lusa depois de uma reunião na secção Regional do Norte da Ordem dos Médicos, tal como já tinha feito em Lisboa e Coimbra, considerando que o sentimento global “é o mesmo”.

Reclamam por mais respeito e dignidade no Serviço Nacional de Saúde, por melhores condições de trabalho e também reclamam que sejam corrigidas algumas deficiências, como ao nível dos concursos. O concurso hospitalar deste ano ainda não foi aberto”, defendeu.

Miguel Guimarães considerou ainda que o SNS tem uma “deficiência crónica de capital humano, só comparável ao subfinanciamento crónico”, afirmando que a falta de médicos gera uma “grande pressão no trabalho”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Medicina

João Lobo Antunes /premium

Maria João Avillez

Porque é que aquele rapaz tão bonito, de olhar azul claro, um companheiro de trabalho tão curioso e atento aos outros, parecia por vezes taciturno e quase triste? “Estudava muito” dizia-se por lá.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)