Até ao final do mês de Agosto, o mercado português já tinha consumido 1.086 veículos 100% eléctricos, nem todos subsidiados pelo Estado, uma vez que há um conjunto de requisitos a cumprir para aceder aos 2.2250€ de incentivos, a começar pela existência de um cliente final, além de apenas ser atribuído um subsídio por pessoa singular e cinco por pessoa colectiva.

O Fundo Ambiental, a entidade governamental que faz a gestão e atribuição destes subsídios, divulgou que, até à passada sexta-feira, 22 de Setembro, tinham já sido apresentadas 1.047 candidaturas, das quais foram aceites 918, o que deixa apenas 82 vagas para apoios estatais à compra deste tipo de veículos não poluentes.

Numas contas rápidas, e como se têm comercializado, no nosso país, veículos eléctricos à razão de 136 unidades/ mês, e mesmo tendo em conta que nem todos requerem a atribuição de subsídio, Setembro deverá ser o último mês em que estão disponíveis os 2.250€ suportados pelo Estado, visando contribuir para a melhoria da qualidade do ar, iniciativa que beneficia de um orçamento anual de 2,3 milhões de euros.

Apesar de inicialmente estar previsto a recepção de candidaturas até 30 de Novembro, é agora óbvio que as previsões do Governo foram pouco optimistas em relação à procura por esta classe de veículos, com o mercado a adquirir mais automóveis eléctricos do que o antecipado. Pelo que o mais provável é que os consumidores não tenham acesso aos incentivos nos últimos três meses do ano.