Rádio Observador

Mortalidade

Esperança de vida à nascença melhorou em todas as regiões do país

A esperança de vida à nascença melhorou em todas as regiões do país nos últimos seis anos, sendo estimada em 80 anos para o total da população, revela o INE.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

A esperança de vida à nascença melhorou em todas as regiões do país nos últimos seis anos, sendo estimada em 80,62 anos para o total da população, tendo o maior aumento ocorrido na Madeira, revela esta quarta-feira o INE.

Segundo as Tábuas de Mortalidade relativas ao triénio 2014-2016, por comparação com o triénio 2008-2010, a esperança de vida à nascença em Portugal foi estimada em 77,61 anos para os homens e de 83,33 anos para as mulheres.

“Estes valores representam um ganho de 1,44 anos para os homens e de 1,14 para as mulheres” em 2014-2016, comparativamente com os valores estimados para 2008-2010, sublinha o Instituto Nacional de Estatística.

Apesar da esperança de vida continuar a ser superior para as mulheres, a diferença para os homens tem vindo a diminuir, sendo agora de 5,72 anos (face a 6,02 em 2008-2010).

A esperança de vida aos 65 anos atingiu 19,31 anos para ambos os sexos, no triénio 2014-2016, com os homens a poderem viver, em média, mais 17,44 anos e as mulheres mais 20,73 anos, o que representa um ganho de 0,70 anos, para ambos, face a 2008-2010. “A diferença entre a longevidade aos 65 anos de homens e mulheres em 2014-2016 foi de 3,29 anos, retomando aos valores de 2008-2010, após um período em que se verificaram ligeiros acréscimos”, adiantam os dados.

De acordo com o INE, observaram-se nos últimos seis anos “melhorias na esperança de vida à nascença em todas as regiões”.

O maior aumento registou-se na Madeira, onde a esperança de vida à nascença passou de 76,13 para 78,02 anos.

As maiores diferenças de longevidade entre homens e mulheres registaram-se na Madeira e nos Açores, onde as mulheres podem viver em média, respetivamente, mais 7,45 anos e 7,03 anos do que os homens.

Já as menores diferenças de longevidade foram encontradas nas regiões norte e centro, com 5,57 e 5,61 anos, respetivamente.

No Algarve observaram-se os valores mais elevados de esperança de vida aos 65 anos para o total da população e para as mulheres, 19,66 anos e 21,04 anos, respetivamente em 2014-2016.

A maior longevidade aos 65 anos para os homens registou-se na região norte (17,70 anos). Contudo, foi na Madeira que se verificou o maior aumento deste indicador, nos últimos seis anos, quer para homens quer para mulheres: de 13,86 para 14,99 anos e de 18,05 para 19,35 anos, respetivamente. ”

“As maiores diferenças de longevidade aos 65 anos entre homens e mulheres registaram-se nas regiões autónomas da Madeira e dos Açores, onde as mulheres podem esperar viver em média, respetivamente, mais 4,36 anos e mais 3,71 anos do que os homens”, adianta o INE.

Na região norte verificaram-se as menores diferenças entre os dois sexos (3,13 anos), para a longevidade aos 65 anos.

As estimativas relativas à esperança de vida à nascença mostram que em nove das 25 sub-regiões NUTS III foi superado o valor nacional (80,62 anos).

As maiores esperanças de vida à nascença foram registadas no Cávado (81,45 anos), na região de Coimbra (81,25 anos) e na região de Leiria (81,24 anos), e as menores nas regiões autónomas e no baixo Alentejo, com valores abaixo de 79 anos.

Nos últimos seis anos, os ganhos mais elevados de longevidade à nascença verificaram-se na região de Leiria (2,08 anos) enquanto os menores registaram-se na região Terras de Trás-os-Montes (0,35 anos).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)