Um casal russo foi detido na segunda-feira depois de ter admitido ter matado mais de 30 pessoas na cidade de Krasnodar, a sudoeste do país. Dmitry e Natalia Baksheev – o casal – terá tido esta prática desde há 20 anos.

Terá sido o telemóvel de Dmitry que motivou a detenção, depois de terem sido encontradas fotografias de partes de corpos desmembrados no seu interior. Nas fotografias via-se um homem com uma mão cortada, a cabeça cortada de uma mulher e algum cabelo.

Segundo o comunicado da polícia, o casal terá tido uma desavença com uma mulher que tinham acabado de conhecer, depois de terem estado a beber. Depois de ter tirado fotografias com a vítima, o homem acabou por perder o telemóvel, que foi depois encontrado por operários de construção civil. Dmitry começou por negar a autoria do crime e alegava ter tirado a fotografia com os restos mortais porque os tinha encontrado na rua, mas acabou, mais tarde, por admitir que tinha sido o responsável pela sua morte.

As autoridades russas confirmaram ainda a descoberta de um corpo feminino desmembrado numas terras ligadas a uma base militar, onde o casal vivia. Junto ao corpo da vítima estava uma mala com os pertences da vítima. O Mirror diz ainda que foi encontrado um vídeo que continha lições para outros canibais sobre como cozinhar um ser humano.

A televisão local Russian Today divulgou um vídeo onde se podem ver as buscas da polícia ao apartamento dos suspeitos.

A polícia encontrou também restos humanos no frigorífico e congelador do casal, nas buscas à residência, confirma a BBC. Foram ainda encontradas embalagens com partes congeladas de vários corpos, frascos com carne humana e pedaços de pele.

Segundo os media russos, as fotografias sugerem que a prática já vem desde há 20 anos, isto porque uma das fotografias data de 28 de dezembro de 1999 e parece mostrar uma cabeça humana desmembrada, colocada numa travessa acompanhada com frutas, como divulga o The Mirror.

Os resultados dos exames psiquiátricos realizados a Natalia mostram que a suspeita é uma pessoa saudável e com plena responsabilidade pelas suas ações, segundo o mesmo jornal. Ainda assim, a mulher russa admitiu estar envolvida em pelo menos 30 mortes, para além do canibalismo levado a cabo pelo casal. O casal está acusado de homicídio e vai permanecer em custódia, enquanto ainda decorre a investigação e outros testes biológicos para esclarecer se se trata de carne humana ou de animal.