O secretário-geral do PCP recusou alimentar polémicas sobre as afirmações da véspera do líder social-democrata, mas também outras vindas do espetro da esquerda, dando prioridade absoluta aos últimos apelos ao voto nas autárquicas de domingo.

Jerónimo de Sousa, numa “arruada” autárquica da CDU, que junta comunistas, ecologistas e independentes, na Baixa da Banheira, concelho da Moita, desvalorizou “bocarras” ou “escaramuçazitas”, tanto à direita como à esquerda, reiterando a sua confiança em conservar posições e reforçar votações.

É um exemplo concreto de que perderíamos o nosso e o vosso tempo para estarmos com atenção a essas, enfim, escaramuçazitas. Não é isso o fundamental. Cada qual saberá de si. Não vou perder tempo com esses arrufos, umas bocarras. Isso está um bocado deslocado daquilo que é o fundamental: o resultado das eleições para as autarquias”, disse.

O presidente do PSD e ex-primeiro-ministro, Passos Coelho acusou na quarta-feira o socialista e chefe do atual executivo, António Costa, de ter feito “um pacto com o diabo para governar”, referindo-se aos acordos entre PS, BE, PCP e PEV para recusar novo governo PSD/CDS-PP e empossar o atual elenco socialista.

“Na dinâmica eleitoral, nas campanhas, há sempre certos momentos desta ou aquela crispação, esta ou aquela afirmação, mas na fase em que estamos, a poucas horas do ato eleitoral, isso é questão que não nos preocupa nem tem de preocupar os outros. Vamos, cada um, fazer por si para prosseguir os objetivos que cada um tem”, acrescentou sobre a concorrência autárquica com BE e PS e a influência destes combates nas negociações para o próximo Orçamento do Estado.

Em breve entrevista à agência Lusa, o líder comunista prognosticou que a CDU vai manter ou até aumentar a sua expressão autárquica, o PS não irá “levantar voo” em termos de votação global e que o BE vai “correr na sua bicicleta”.