Acesso ao Ensino Superior

Quase 40 cursos ainda sem alunos após 2ª fase de acesso ao Ensino Superior

169

Dos 1.063 cursos disponíveis no concurso nacional de acesso ao ensino superior, 38 continuam sem qualquer aluno colocado. A grande maioria são licenciaturas em engenharia no ensino politécnico.

Medicina e Arquitetura tiveram as médias mais altas da 2.ª fase do concurso nacional

PAULO NOVAIS/LUSA

Quase 40 cursos superiores continuam sem qualquer aluno colocado, depois de concluída a 2.ª fase do concurso nacional de acesso, predominando nesta lista cursos das áreas de engenharia nos politécnicos, segundo dados oficiais divulgados esta quinta-feira.

Um total de 38 cursos continua sem qualquer vaga preenchida, de acordo com os dados da Direção Geral do Ensino Superior (DGES) divulgados esta quinta-feira, maioritariamente formações nas áreas de engenharias lecionadas em politécnicos no interior do país.

Dos 1.063 cursos disponíveis no concurso nacional de acesso deste ano, 838 já não têm qualquer vaga disponível para a 3.ª fase.

As universidades do Algarve e dos Açores são as instituições com maior número de vagas disponíveis para a 3.ª e última fase do concurso nacional de acesso, para a qual, no total, sobraram 4.009 lugares.

Por outro lado, na Universidade Nova de Lisboa, na Universidade do Porto, na Universidade do Minho já não há vagas disponíveis. Na Universidade de Aveiro sobram três vagas e 13 na Universidade de Coimbra.

Medicina e Arquitetura lideram as médias mais altas de entrada no ensino superior na 2.ª fase do concurso nacional de acesso, com notas iguais ou superiores a 19 valores, acima dos 18,8 valores de média mais alta na 1.ª fase.

Os cursos de Medicina do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto (19,07 valores) e da Universidade Nova de Lisboa (19,05 valores) registaram as médias mais elevadas de entrada no ensino superior na 2.ª fase do concurso nacional de acesso.

Segue-se Arquitetura, na Universidade do Porto, cujo último candidato entrou com 19 valores, a encerrar a lista dos cursos com médias de candidatura de pelo menos 19 valores.

Dezanove cursos registaram médias de candidatura entre os 9,5 e os 9,99 valores.

Na 2.ª fase do concurso nacional de acesso entraram este ano 9.831 estudantes, mais 2,6% do que no ano anterior, segundo dados oficiais.

Nesta fase o número de vagas colocadas a concurso foi de 11.419, às quais acresceram 2.320 vagas libertadas por candidatos colocados e matriculados na primeira fase que foram agora colocados na segunda fase.

Os dados revelam que não foram ocupadas 4.009 vagas.

Os resultados da segunda fase do concurso são divulgados na Internet, no site da Direção-Geral do Ensino Superior, podendo ainda ser consultados através da aplicação ES Acesso, disponível nas plataformas iOS5 e Android6.

Para os estudantes agora colocados, a matrícula e inscrição é realizada entre esta quinta-feira e 2 de outubro junto da instituição de ensino superior.

Cada instituição de ensino superior decide, para cada um dos seus cursos, sobre a abertura da terceira fase do concurso e as vagas a concurso são divulgadas no dia 5 de outubro no site da Direção-Geral do Ensino Superior.

A candidatura à terceira fase do concurso é apresentada entre 5 e 9 de outubro através do sistema online, disponível no site da DGES.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)