Acesso ao Ensino Superior

Quase 40 cursos ainda sem alunos após 2ª fase de acesso ao Ensino Superior

169

Dos 1.063 cursos disponíveis no concurso nacional de acesso ao ensino superior, 38 continuam sem qualquer aluno colocado. A grande maioria são licenciaturas em engenharia no ensino politécnico.

Medicina e Arquitetura tiveram as médias mais altas da 2.ª fase do concurso nacional

PAULO NOVAIS/LUSA

Quase 40 cursos superiores continuam sem qualquer aluno colocado, depois de concluída a 2.ª fase do concurso nacional de acesso, predominando nesta lista cursos das áreas de engenharia nos politécnicos, segundo dados oficiais divulgados esta quinta-feira.

Um total de 38 cursos continua sem qualquer vaga preenchida, de acordo com os dados da Direção Geral do Ensino Superior (DGES) divulgados esta quinta-feira, maioritariamente formações nas áreas de engenharias lecionadas em politécnicos no interior do país.

Dos 1.063 cursos disponíveis no concurso nacional de acesso deste ano, 838 já não têm qualquer vaga disponível para a 3.ª fase.

As universidades do Algarve e dos Açores são as instituições com maior número de vagas disponíveis para a 3.ª e última fase do concurso nacional de acesso, para a qual, no total, sobraram 4.009 lugares.

Por outro lado, na Universidade Nova de Lisboa, na Universidade do Porto, na Universidade do Minho já não há vagas disponíveis. Na Universidade de Aveiro sobram três vagas e 13 na Universidade de Coimbra.

Medicina e Arquitetura lideram as médias mais altas de entrada no ensino superior na 2.ª fase do concurso nacional de acesso, com notas iguais ou superiores a 19 valores, acima dos 18,8 valores de média mais alta na 1.ª fase.

Os cursos de Medicina do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto (19,07 valores) e da Universidade Nova de Lisboa (19,05 valores) registaram as médias mais elevadas de entrada no ensino superior na 2.ª fase do concurso nacional de acesso.

Segue-se Arquitetura, na Universidade do Porto, cujo último candidato entrou com 19 valores, a encerrar a lista dos cursos com médias de candidatura de pelo menos 19 valores.

Dezanove cursos registaram médias de candidatura entre os 9,5 e os 9,99 valores.

Na 2.ª fase do concurso nacional de acesso entraram este ano 9.831 estudantes, mais 2,6% do que no ano anterior, segundo dados oficiais.

Nesta fase o número de vagas colocadas a concurso foi de 11.419, às quais acresceram 2.320 vagas libertadas por candidatos colocados e matriculados na primeira fase que foram agora colocados na segunda fase.

Os dados revelam que não foram ocupadas 4.009 vagas.

Os resultados da segunda fase do concurso são divulgados na Internet, no site da Direção-Geral do Ensino Superior, podendo ainda ser consultados através da aplicação ES Acesso, disponível nas plataformas iOS5 e Android6.

Para os estudantes agora colocados, a matrícula e inscrição é realizada entre esta quinta-feira e 2 de outubro junto da instituição de ensino superior.

Cada instituição de ensino superior decide, para cada um dos seus cursos, sobre a abertura da terceira fase do concurso e as vagas a concurso são divulgadas no dia 5 de outubro no site da Direção-Geral do Ensino Superior.

A candidatura à terceira fase do concurso é apresentada entre 5 e 9 de outubro através do sistema online, disponível no site da DGES.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Acesso ao Ensino Superior

Resultados a qualquer custo?

Sofia Florentino
178

A actual corrente de facilitismo é nada mais, nada menos, do que usar slogans com palavras floreadas e pregar a nobreza da sua missão, enquanto se baixam os requisitos para obter resultados agradáveis

caderno de apontamentos

Seremos livres? /premium

Maurício Brito
636

Os resultados a que chegámos permitem-nos afirmar que a despesa com a recuperação total do tempo de serviço dos professores rondaria os 300 milhões de euros – metade do valor que o governo apresenta.

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)