Rádio Observador

Eleições em Angola

Coligação angolana diz que nomeações mostram que povo voltou a ser enganado

A coligação CASA-CE, a segunda força da oposição angolana, classificou as nomeações do Presidente João Lourenço para o novo Governo como "prova inequívoca" de que o povo foi "mais uma vez enganado".

Abel Chivukuvuku, líder da coligação, fala em "falácias propagandísticas"

JOOST DE RAEYMAEKER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A coligação CASA-CE, a segunda força da oposição angolana, classificou esta sexta-feira as nomeações do Presidente João Lourenço para o novo Governo como “prova inequívoca” de que o povo foi “mais uma vez enganado”.

O novo chefe de Estado angolano, João Lourenço, investido terça-feira no cargo após 38 anos de liderança de José Eduardo dos Santos, nomeou entre quinta e sexta-feira 31 ministros para o novo Governo – nove dos quais mantêm as mesmas pastas -, estando a posse prevista para sábado, em Luanda.

Em comunicado, o conselho presidencial da Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA-CE), classifica estas nomeações como a “prova inequívoca de que os angolanos, mais uma vez, foram enganados com falácias propagandísticas sobre uma eventual constituição de um governo cujo critério seria a meritocracia, a excelência e a inclusão”.

No atual contexto em que o país se encontra, de profunda crise económica e financeira, as decisões para a composição do poder executivo não deviam ser circunscritas à natureza político partidária dos seus componentes, pois este critério não valoriza as mais valias intelectuais, necessárias para a recuperação económica”, acusa a coligação liderada por Abel Chivukuvuku.

O anterior Governo, liderado por José Eduardo dos Santos, contava com 31 ministérios, mas na tomada de posse como novo chefe de Estado, João Lourenço reafirmou a intenção de promover a redução do executivo, no âmbito de uma reforma do Estado.

“A estrutura do executivo será reduzida de modo a garantir a sua funcionalidade sem dispersão de meios e evitando o esbanjamento e o desperdício de recursos que são cada vez mais escassos”, apontou Lourenço, que encabeçou a lista do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) que venceu as eleições gerais angolanas de 23 de agosto.

O comunicado do conselho presidencial da CASA-CE acrescenta que as nomeações agora conhecidas “vieram confirmar” os “alertas” que a coligação garante ter feito “quanto ao perigo da continuação no aparelho do Estado do mesmo partido, com as mesmas pessoas, as mesmas práticas e com os mesmos vícios que, ao longo de décadas, levaram à delapidação do país, como consequência da corrupção e de outros atos ilícitos”.

“O autoritarismo e a má governação perpetrados pelo partido no poder há décadas retrocedeu o país, levando os angolanos a uma condição de indigência, coabitando com a pobreza extrema e a miséria”, critica ainda a CASA-CE.

Para a coligação, que nas eleições de 23 de agosto viu o grupo parlamentar passar de oito para 16 deputados à Assembleia Nacional, à equipa nomeada por João Lourenço cabe a tarefa de “tentar executar as insustentáveis intenções programáticas apresentadas recentemente durante a sua tomada de posse”.

As mexidas na administração na petrolífera angolana Sonangol, liderada por Isabel dos Santos, com a entrada de novos administradores estrangeiros, nomeadamente portugueses, também merecem a crítica da CASA-CE, que denuncia a empresária e filha do ex-chefe de Estado, José Eduardo dos Santos, por “excluir e discriminar os angolanos em benefício de outras nacionalidades”.

“Num contexto em que os angolanos com formação superior no setor petrolífero estão desempregados, não é admissível que a Sonangol, empresa pública do Estado angolano, adote a estratégia de contratação de expatriados para posições de destaque”, conclui o comunicado do conselho presidencial daquela coligação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)