Combates entre grupos rivais nas últimas duas semanas em Sabratha, no oeste da Líbia, causaram 26 mortos e 170 feridos, indicou esta sexta-feira o Ministério da Saúde.

“O chefe da comissão encarregada pelo ministro da Saúde de acompanhar os acontecimentos em Sabratha (…) confirmou que os combates causaram 26 mortos e 170 feridos”, indicou na sua página da rede social Facebook aquele ministério ligado ao governo líbio de união nacional.

Trata-se do primeiro balanço oficial desde o início da violência naquela cidade costeira, a cerca de 70 quilómetros a oeste de Tripoli e que é o principal ponto de partida de migrantes para as costas europeias.

Os confrontos começaram a 17 de setembro após a morte de um membro da milícia de Ahmad Dabbashi, conhecido por ter sido um dos barões locais do tráfico de migrantes, mas que se converteu este verão e luta agora contra a imigração clandestina.

Desde a queda do regime de Muammar Kadhafi, em 2011, a Líbia ficou entregue a milícias e duas autoridades disputam atualmente o poder: um governo de união nacional reconhecido pela comunidade internacional, sediado em Tripoli, e uma autoridade que exerce o poder no leste do país com apoio do marechal Khalifa Haftar.