Rádio Observador

Burla

Trio de burlões rouba milhões a organismos públicos

320

Através de esquemas de homebanking e da criação de emails falsificados, três homens conseguiram roubar quase três milhões de euros a empresas públicas. Hospitais e câmaras municipais entre os lesados.

A Universidade de Coimbra foi uma das lesadas

PAULO NOVAIS/LUSA

Entre 2013 e o início de 2015, um trio de burlões roubou quase três milhões de euros a organismos, empresas e entidades públicas. Através de um simples sistema de homebanking, falsas autorizações de débito direto e endereços de e-mail falsificados, burlaram hospitais, universidades, câmaras municipais e até a GNR e as Forças Armadas.

O líder do grupo, Márcio Rodrigues, foi condenado a dez anos de prisão pelo Tribunal de Lisboa. O namorado, parte integrante do grupo, teve uma pena de cinco anos e o outro cúmplice foi condenado a quatro anos e dez meses de prisão – ambas suspensas. Já foram arrestados 800 mil euros entre contas bancárias nacionais e offshores em Gibraltar.

De acordo com o Jornal de Notícias, a primeira fase da burla foi feita através das próprias instituições bancárias – usando do sistema “Empresa na hora”, o líder do grupo abriu cinco empresas sem qualquer atividade real. Criou contas bancárias para cada uma das firmas e utilizou um sistema chamado SEPA (Área Única de Pagamento em Euros) que lhe permitia forjar permissões de débito direto sem que fosse necessária a assinatura ou o consentimento do alegado cliente.

É não só possível como simples o procedimento de criação, através de homebanking, de ficheiros de cobrança por débito direto por terceiros, mesmo sem o seu conhecimento e contra a sua vontade, bastando para tal o conhecimento do número de conta bancária do suposto devedor”, refere o acordão do processo.

Através de uma “conta empresa” no Montepio Geral, realizaram em 24 horas 411 débitos diretos a empresas, perfazendo um total de 828 mil euros que o banco teve de reembolsar aos lesados – como, por exemplo, a cadeia de lojas Staples. Ao aperceber-se do esquema, o Montepio cancelou todas as operações efetuadas.

A segunda fase da burla implicava a criação de e-mails muito semelhantes àqueles utilizados por instituições públicas e a recolha de informação fidedigna de bases de dados disponíveis na internet. Depois, eram enviados e-mails para as empresas do Estado a informar que o NIB para onde deveriam ser feitos os pagamentos tinha sido alterado. A dívida era real, o cobrador era falso. Parece tudo demasiado simples, mas foi assim que Márcio Rodrigues e os dois cúmplices roubaram mais de 1,4 milhões de euros a organismos públicos. Serviços prisionais, Instituto Nacional de Estatística, Santa Casa da Misericórdia, Turismo de Portugal, câmaras de Matosinhos, Maia, Sintra e Barreiro, Universidades de Coimbra e Lisboa, hospitais do Porto, Algarve, Évora e Lisboa, GNR e Forças Armadas estão entre as dezenas de lesados do trio de burlões.

Os arguidos foram colocados em prisão preventiva logo depois de serem detidos, no início de 2015. Ano e meio depois foram libertados mas o líder do grupo ficou com vigilância eletrónica em casa – medida que ainda hoje se mantém. O indivíduo é madeirense e licenciado em Gestão de Empresas. Apesar de ter movimentado mais de 2,6 milhões de euros nesta janela temporal, Márcio Rodrigues declarou apenas 13 mil euros de rendimentos entre 2010 e 2015.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)