O Presidente da República está preocupado com as “personalizações excessivas” e o “cansaço de alguns relativamente a alguma política e alguns políticos”, como causas para a abstenção — em 2013 foram de 47%, a mais elevada em eleições autárquicas. Por isso, fez um comunicado na noite deste sábado, também em vídeo, para apelar ao voto nas eleições autárquicas deste domingo. Não votar nas eleições autárquicas, disse o Presidente, “pode representar uma omissão incompreensível ou um descuido imperdoável”. “E, o que é pior, de efeitos largamente incorrigíveis”.

Marcelo Rebelo de Sousa incentivou os portugueses a participarem nestas eleições autárquicas por “amor à terra, seja ela natal, ou adotiva”. O PR, que já foi candidato à câmara de Lisboa, vereador e chegou a presidir à Assembleia Municipal de Celorico de Basto, explicou em tom pedagógico: “Não se trata de escolher um Presidente da República, um Parlamento nacional, um Parlamento europeu, um Governo ou um líder partidário. Trata-se antes de legitimar os que irão governar as vossas terras, as vossas freguesias, os vossos municípios, nos próximos quatro anos. E legitimar significa votar amanhã.”

Para o Chefe de Estado, as autárquicas são “a escolha daquelas e daqueles que, todos os dias, mais próximos se encontram do povo e dos seus problemas concretos”, considerando o poder local como “um dos fusíveis de segurança da nossa democracia”.

Sem ele, como seria a resposta a necessidades básicas dos portugueses, quer em tempos normais, quer, e sobretudo, em períodos particularmente exigentes?”

“Como cidadão, confio no vosso espírito de cidadania. Como Presidente da República confio no vosso amor à terra, seja ela natal, ou adotiva, que o mesmo é dizer, confio no vosso amor a Portugal.