Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O secretário de Estado da Saúde americano demitiu-se na sequência de um escândalo que envolveu várias viagens de aviões privados pagas com dinheiro dos contribuintes. A saída de Tom Price, o primeiro membro do Governo nomeado por Donald Trump a sair, deixa órfã a política de saúde do presidente e a gestão do sensível dossiê Obamacare. A administração Trump tem sido abalada por várias saídas, mas que afetaram sobretudo o gabinete e os conselheiros do presidente.

O caso levou já a presidência americana a reavaliar a política para viagens feitas por membros da administração. Price demitiu-se sete meses depois de ter assumido o cargo esta sexta-feira, depois do jornal Politico ter revelado que tinha feito mais de doze voos em jatos privados que foram pagos com fundos públicos, bem como viagens à Europa, África e Ásia em aviões militares, num custo total superior a um milhão de dólares. Muitas destas viagens foram feitas em missões públicas, mas em vez de recorrer a aviões comerciais, Price usou jatos privados para a sua comitiva.

Quando foi confrontado com o caso Donald Trump afirmou que ia analisar o caso, deixando ainda um recado claro ao seu ainda colaborador: “Não estou nada satisfeito”. Ainda não se sabe quem será o sucessor de Tom Price, mas a sua saída poderá ter impacto na forma como a administração vai lidar com o Obamacare, incluindo a proposta de Trump que permitia aos beneficiários procurarem o melhor seguro de saúde em qualquer estado. Esta demissão poderá ainda representar uma distração em relação a outras prioridades da agenda política de Donald Trump, como a reforma fiscal, referem analistas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR