Tem hoje 84 anos. Bailey foi durante décadas, nomeadamente na década de noventa, um dos advogados mais mediáticos (se não mesmo “o” advogado mais mediático) nos Estados Unidos. E também um dos de maior sucesso em tribunal. Defendeu, por exemplo, o neurocirurgião Sam Sheppard, acusado de assassinar a mulher, conseguindo que este saísse inocentado do julgamento.

Mas o caso em que o advogado F. Lee Bailey esteve definitivamente sob os holofotes mediáticos foi o de OJ Simpson, acusado em 1995 do assassinato da ex-mulher, Nicole Simpson, e do namorado desta à época, Ron Goodman. Simpson acabou ilibado em tribunal.

Há nove anos, o ex-jogador da liga norte-americana de futebol (NFL) foi condenado a 33 anos de prisão, não pelo assassinato de Nicole e Ron — OJ foi inocentado mas teve que indemnizar em 28,3 milhões de euros a família das vítimas –, mas porque (acompanhado de outros cinco homens) invadiu um quarto de hotel em Las Vegas, tentando recuperar, armado, objetos pessoais seus (nomeadamente fotografias) a dois colecionadores de memorabilia da NFL.

Este domingo, Simpson, de 70 anos, saiu da prisão no Nevada onde fora encarcerado, ficando em liberdade condicional. Cumpriu nove anos de pena.

F. Lee Bailey e OJ não contactam há muito. Os dois deixariam de contactar quando o ex-jogador foi condenado. Mas a vida de Bailey, tal como a de Simpson, degradou-se aceleradamente nos últimos anos. Vive hoje no estado norte-americano de Maine, perdeu tudo quanto tinha, foi declarado insolvente no último ano, e habita no piso de cima de um salão de cabeleireiro — que pertence à atual namorada, sete anos mais nova que F. Lee Bailey.

Ainda mantém um escritório de advocacia, igualmente no piso de cima do salão, tendo as paredes decoradas com fotografias do jatos privados que outrora tivera. Mantém ainda um station wagon Mercedes de 1999, toda dourada. Tudo o mais foi-lhe retirado ou vendido pelo próprio para saldar dívidas. Em entrevista à revista Town & Country, Bailey garante: “Deprimente? Não digo que seja deprimente, porque nunca deprimo”.

Mas, afinal, o que levaria à queda de Bailey, hoje impedido de exercer advocacia nos Estados Unidos? No último ano viu-se envolvido num escândalo, onde foi acusado de se ter apropriado indevidamente de dinheiro de um traficante de droga que defendeu em tribunal.

Hoje, ninguém estende a mão ao ex-advogado de OJ Simpson. Alan Dershowitz foi seu sócio em tempos idos. “As pessoas apontam-lhe o dedo, dizendo: ‘Se não tivesses prostituído o teu talento com esse tipo [OJ Simpson], ele estaria na prisão…”, lembrou à Town & Country.