A Inspeção Geral das Atividades Económicas (IGAE) cabo-verdiana ainda não recebeu qualquer queixa sobre os livros escolares com vários erros, disse esta terça-feira à agência Lusa fonte oficial, indicando que só poderá atuar na sequência de uma participação.

Na segunda-feira, a diretora nacional de Educação de Cabo Verde, Adriana Mendonça, disse que livros de vários anos de ensino usados no país têm centenas de erros.

Os dados foram revelados depois de terem sido denunciadas várias falhas em manuais do 1.º ciclo, no arranque do ano letivo, que conta com novo plano curricular experimental para o ensino básico e nove novos manuais para os 1.º, 2.º, 3.º, 4.º, 5.º e 7.º anos de escolaridade, cadernos de exercícios, manuais de professores e CD interativos.