Marinha

Marinha congratula-se com “apoio político” ao empenho dos fuzileiros em missões no exterior

O chefe do Estado-Maior da Armada congratulou-se com o "apoio político" ao empenho dos fuzileiros em missões reais e confirma a participação desta força na missão da NATO na Lituânia em 2018.

Tiago Petinga/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O chefe do Estado-Maior da Armada (CEMA), Silva Ribeiro, congratulou-se esta quarta-feira com o “apoio político” do Governo “ao emprego dos fuzileiros em missões reais”, confirmando a participação desta força na missão da NATO na Lituânia em 2018.

Numa cerimónia na Escola de Fuzileiros, Vale do Zebro, Barreiro, o almirante Silva Ribeiro congratulou-se com “o significativo apoio político que o governo está a dar ao emprego dos fuzileiros em missões reais”, adiantando que “será intensificado em 2018”.

De facto são estas missões que justificam o esforço todo que se faz durante o ano de treino e de preparação para este tipo de desempenhos e os fuzileiros já há alguns anos que não tinham missões internacionais desta dimensão e desta envergadura no exterior”, disse, em declarações à Lusa.

Nos últimos anos, reforçou, os fuzileiros “têm estado muito confinados a missões em navios no golfo da Guiné” e a missão na Lituânia “abre perspetivas” para o emprego das diferentes capacidades nos teatros de operações atuais. Silva Ribeiro falava à Agência Lusa no final da cerimónia de imposição da boina da especialidade a 52 novos militares que terminaram a formação de nove meses.

O CEMA disse ainda que em 2018 serão “reforçadas as capacidades de comando e controlo” do corpo de fuzileiros e a sua “mobilidade tática”, implicando novos investimentos, incluindo a compra de equipamento de comunicações.

Na cerimónia, o secretário de Estado da Defesa, Marcos Perestrello, disse que o Governo “leva a sério” a “unidade e indivisibilidade” da Europa, considerando “absolutamente imperioso defender a ordem internacional que resultou do fim da guerra fria”.

A anterior força nacional destacada nesta missão, que visa a “dissuasão e segurança” nas fronteiras europeias com a Rússia, regressou no final de setembro e era constituída por 119 elementos da companhia de Atiradores Mecanizada, do Exército.

Para além desta participação, está previsto para 2018 o empenhamento da força de fuzileiros em “missões no Golfo da Guiné, na operação Mar Aberto, em navios nacionais com um destacamento de 50 fuzileiros e em navios das Marinhas francesa e espanhola, na ordem dos 120 a 140” militares.

Elogiando a “agilidade” e a “competência e profissionalismo” desta força especial da Marinha, Marcos Perestrello sustentou existir um “apoio popular” e mesmo “um clamor popular” pelo “emprego das forças militares em missões de natureza não militar”.

O emprego dos fuzileiros em missões não militares de apoio à população nas zonas balneares e no apoio durante os incêndios do verão passado, sobretudo em Pedrógão Grande, foram os exemplos dados pelo secretário de Estado. O uso de forças militares em missões de natureza civil tem sido duramente criticado pelo PCP.

Perante os familiares dos 52 novos fuzileiros, a cerimónia terminou com um desfile dos militares e um simulacro de busca e salvamento no qual foi utilizado um helicóptero Lynx.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)