Marinha

Marinha congratula-se com “apoio político” ao empenho dos fuzileiros em missões no exterior

O chefe do Estado-Maior da Armada congratulou-se com o "apoio político" ao empenho dos fuzileiros em missões reais e confirma a participação desta força na missão da NATO na Lituânia em 2018.

Tiago Petinga/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O chefe do Estado-Maior da Armada (CEMA), Silva Ribeiro, congratulou-se esta quarta-feira com o “apoio político” do Governo “ao emprego dos fuzileiros em missões reais”, confirmando a participação desta força na missão da NATO na Lituânia em 2018.

Numa cerimónia na Escola de Fuzileiros, Vale do Zebro, Barreiro, o almirante Silva Ribeiro congratulou-se com “o significativo apoio político que o governo está a dar ao emprego dos fuzileiros em missões reais”, adiantando que “será intensificado em 2018”.

De facto são estas missões que justificam o esforço todo que se faz durante o ano de treino e de preparação para este tipo de desempenhos e os fuzileiros já há alguns anos que não tinham missões internacionais desta dimensão e desta envergadura no exterior”, disse, em declarações à Lusa.

Nos últimos anos, reforçou, os fuzileiros “têm estado muito confinados a missões em navios no golfo da Guiné” e a missão na Lituânia “abre perspetivas” para o emprego das diferentes capacidades nos teatros de operações atuais. Silva Ribeiro falava à Agência Lusa no final da cerimónia de imposição da boina da especialidade a 52 novos militares que terminaram a formação de nove meses.

O CEMA disse ainda que em 2018 serão “reforçadas as capacidades de comando e controlo” do corpo de fuzileiros e a sua “mobilidade tática”, implicando novos investimentos, incluindo a compra de equipamento de comunicações.

Na cerimónia, o secretário de Estado da Defesa, Marcos Perestrello, disse que o Governo “leva a sério” a “unidade e indivisibilidade” da Europa, considerando “absolutamente imperioso defender a ordem internacional que resultou do fim da guerra fria”.

A anterior força nacional destacada nesta missão, que visa a “dissuasão e segurança” nas fronteiras europeias com a Rússia, regressou no final de setembro e era constituída por 119 elementos da companhia de Atiradores Mecanizada, do Exército.

Para além desta participação, está previsto para 2018 o empenhamento da força de fuzileiros em “missões no Golfo da Guiné, na operação Mar Aberto, em navios nacionais com um destacamento de 50 fuzileiros e em navios das Marinhas francesa e espanhola, na ordem dos 120 a 140” militares.

Elogiando a “agilidade” e a “competência e profissionalismo” desta força especial da Marinha, Marcos Perestrello sustentou existir um “apoio popular” e mesmo “um clamor popular” pelo “emprego das forças militares em missões de natureza não militar”.

O emprego dos fuzileiros em missões não militares de apoio à população nas zonas balneares e no apoio durante os incêndios do verão passado, sobretudo em Pedrógão Grande, foram os exemplos dados pelo secretário de Estado. O uso de forças militares em missões de natureza civil tem sido duramente criticado pelo PCP.

Perante os familiares dos 52 novos fuzileiros, a cerimónia terminou com um desfile dos militares e um simulacro de busca e salvamento no qual foi utilizado um helicóptero Lynx.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

O povo é quem mais ordena e a CGTP está fora /premium

André Abrantes Amaral

Quando os motoristas de matérias perigosas param o país e não se revêem na CGTP é a própria Concertação Social que está posta em causa, o que revela o quanto a geringonça distorceu esta democracia.

Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
143

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)