A 14.ª edição do Out.Fest termina no sábado, com cerca de duas dezenas de atuações em locais emblemáticos do Barreiro como a Igreja de Santa Maria, o Museu Industrial Baía do Tejo e o Auditório Municipal Augusto Cabrita.

“Os diferentes locais são sem dúvida uma das marcas identitárias do festival, e este ano atingimos o 30.º espaço diferente utilizado para espetáculos desde 2004, uma vez que a Igreja de Santa Maria será uma estreia”, disse à agência Lusa Rui Pedro Dâmaso, da direção da Associação Cultural Ou.tra, que organiza o festival.

Nas quatro noites, o festival espera cerca de dois mil espectadores.

Do cartaz deste ano fazem parte grupos como Pere Ubu ou This Is Not This Heat, ambas com carreiras iniciadas ainda na década de 1970, Black Dice, Charlesmagne Palestine, o músico português Sei Miguel ou a colaboração entre o compositor Jonathan Saldanha e o Coral TAB, constituído por trabalhadores da autarquia local.

Destaque ainda para a presença do baterista português Gabriel Ferrandini em dose dupla: Com o trio Casa Futuro — com Pedro Sousa e Johan Berthling — e com Alex Zhang Hungstai, ex-Dirty Beaches, e David Maranha, a propósito do álbum “Âncora”, que gravaram inspirado em “Blue Train”, de John Coltrane.