Madonna

Portugal já atribuiu 73 “vistos Madonna” este ano

1.040

Serviço de Estrangeiros e Fronteiras não esclarece se vai receber a artista norte-americana para a conclusão do processo. Encontro "de cortesia" com ministra da Administração Interna é caso único.

Getty Images for Billboard Magazine

Madonna precisa de uma autorização de residência para viver em Portugal e, por “cortesia”, a ministra da Administração Interna abriu-lhe a porta do gabinete, com vista para o Terreiro do Paço, para dar arranque ao processo. Só este ano, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) já atribuiu 73 vistos de residência especiais — a exceção, prevista na lei, permite a atribuição a candidatos de cinco domínios diferentes –, mas sem direito a encontros pessoais com os requerentes.

“Não me lembro de alguma vez ter ouvido falar de uma situação semelhante”, diz ao Observador um inspetor do SEF com várias décadas de ligação ao serviço. Esta quarta-feira, o Correio da Manhã descrevia a operação montada no Ministério da Administração Interna para que a cantora norte-americana e a advogada pudessem ser recebidas com discrição. Até a hora do encontro — 18h30, quando os funcionários já tivessem saído — foi pensada. E a agenda oficial de Constança Urbano de Sousa omitia essa reunião.

A ação terá sido justificada, segundo o diário, por tratar-se de uma “personalidade ímpar, de enorme projeção internacional, com tudo o que isso representa para a imagem do nosso país – ao nível por exemplo do turismo e da economia”. E a lei prevê que possam ser atribuídos vistos de residência à margem do processo normal.

O diploma é a lei de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiro do território nacional (lei n.º 23/2007, de 4 de julho), que estabelece um “regime excecional” para “situações extraordinárias” que podem ser desencadeadas, “a título excecional” pela diretora do SEF ou “por iniciativa do membro do Governo responsável pela área da administração interna”. Neste caso, foi da ministra que partiu a iniciativa de avançar com o processo “excecional”, uma vez que só agora o caso de Madonna passará para a alçada daquele organismo.

Regime especial por ser cantora

Segundo a mesma lei, os vistos especiais podem ser atribuídos por “razões de interesse nacional”, “razões humanitárias” ou “razões de interesse público decorrentes do exercício de uma atividade relevante no domínio científico, cultural, desportivo, económico ou social”. O processo de Madonna deverá enquadrar-se neste último caso. É para aí que apontam os esclarecimentos enviados ao Observador pelo SEF, onde se acrescenta que, no ano passado, foram atribuídos 132 vistos especiais.

Aquilo que o SEF não esclarece — e a que o ministério de Constança Urbano de Sousa ainda não respondeu — é se em todos os processos considerados “excecionais” a ministra ou a diretora do SEF se dispuseram a receber os requerentes. O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras escuda-se no cumprimento do “regime legal de proteção de dados pessoais” para não esclarecer se Madonna será recebida por altos responsáveis da instituição para cumprir o processo burocrático.

A mesma lei que regula a presença de cidadãos estrangeiros em Portugal estipula que “as decisões do membro do Governo responsável pela área da administração interna sobre os pedidos de autorização de residência que sejam formulados ao abrigo do regime excecional previsto no presente artigo devem ser devidamente fundamentadas“. Constança Urbano de Sousa terá, assim, de clarificar em que contexto o Governo decidiu possibilitar à artista o regime excecional de residência no país. Ao Correio da Manhã, fontes próximas da ministra referem que “não faz sentido” obrigar a cantora a recorrer a um visto gold através de investimento (por exemplo, em habitação).

Burocracias é com o SEF

Cumpridas as apresentações formais, é preciso tratar da papelada. Para qualquer cidadão estrangeiro “normal”, isso obrigaria a uma visita aos serviços do SEF.

No caso de Madonna, nada garante que assim seja. De qualquer forma, a artista terá de fazer prova de que cumpre os requisitos legais para que lhe seja atribuída uma autorização de residência em território nacional: terá de apresentar um documento de identificação, provar que tem residência (um tópico ainda em aberto) em Portugal, que tem meios de subsistência e que está livre de antecedentes criminais.

Também terá de registar os seus dados biométricos, como qualquer cidadão faz quando vai renovar o seu cartão de cidadão ou tratar do passaporte. Para isso, existe um programa informático em todos os serviços do SEF. A alternativa — que lhe permitiria evitar deslocar-se a um serviço público e enfrentar as habituais filas — seria que esses dados fossem recolhidos na forma antiga, no papel.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt
Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho
323

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)