Homossexualidade

Filha de Jackie Chan, com quem está de relações cortadas, assume homossexualidade

Etta Ng, filha não reconhecida de Jackie Chan de um caso amoroso que teve nos anos de 1990, assumiu a homossexualidade. No seu país, a China, o tema ainda é encarado com grande discriminação.

Jackie Chan, no passado, já se pronunciou a favor dos direitos LBGT.

AFP/Getty Images

Etta Ng é filha de Jackie Chan, o quinto ator mais bem pago de 2017. Numa publicação pública na passada quinta-feira, na sua conta de Instagram, Etta assumiu ser lésbica. Apesar de ser uma situação normal, “sair do armário” ainda é um assunto tabu na China, onde apenas 6% das mulheres lésbicas o são abertamente (dados de 2015) , como refere o El País, citando o The Economist. A notícia ganhou relevo por Jackie Chan não ter nenhuma relação com a filha, que é fruto de um caso de traição no passado do ator.

???? #lgbtqai #lgbt #lesbian #androgynous

A post shared by @stolenmilktea on

No mesmo dia, a namorada da filha de Chan, Andi Autumn, que tem quase 100 mil seguidores no Instagram, fez uma partilha a anunciar a relação, com bastante mais reações por parte dos utilizadores da rede. Etta, que tinha inicialmente na sua publicação escrito “no caso de ninguém ter recebido a nota, sou gay”, trocou a frase pelos hashtags #lbgtqai, #lbgt e #androgynous, tudo palavras de apoio aos direitos LBGT (Lésbicas, Bissexuais, Gays e Transexuais).

Etta é filha de Jackie Chan mas nem sequer há uma fotografia dos dois juntos. O ator asiático mais conhecido de Hollywood, conheceu Elaine, a mãe de Etta, em 1998, com quem teve um breve romance. A gravidez indesejada foi anunciada em 1999, ao que Chan comentou: “Cometi um erro”. Nunca a mencionou em entrevistas e em relação à filha apenas diz: “Às vezes é melhor não falar de certas coisas. Que a natureza siga o seu curso”. Chan ainda é casado com Joan Lin (a mulher traída), com quem tem um filho.

Em 2015, Etta já havia afirmado que “ele [Jackie] não é meu pai. Não tenho nenhum sentimento por ele. É o meu pai biológico, mas não é parte da minha vida”.

Jackie Chan acaba de anunciar Rush Hour 4, a sequela da sua série de filmes de ação e comédia de grande sucesso com o ator Chris Tucker, que teve o último título em 2007. O ator continua a ser um dos mais requisitados de Hollywood, com uma fortuna avaliada em 350 milhões de dólares. Chan, em 2014, já tinha apoiado a causa LBGT num vídeo em que “sai do armário”, mas recebeu críticas por não fazer nada quanto à discriminação que os homossexuais ainda sofrem na China.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Eleições Espanha 2015

Nem tudo vale na política

Dantas Rodrigues

Oportunismos como o da candidatura de Manuel Valls em Barcelona é que degradam a imagem da política e alimentam a propagação de partidos populistas sejam eles de extrema-direita ou de extrema-esquerda

Igreja Católica

Tríptico europeu /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A Europa do terceiro milénio, perdida a sua identidade cristã, que era a razão de ser da sua unidade e grandeza, é um continente à deriva.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)